Serasa aponta aumento da inadimplência

Um estudo da Centralização dos Serviços dos Bancos (Serasa) revelou que os índices de inadimplência, indicados por protestos (pessoas físicas e jurídicas), apresentaram nova alta no País. No acumulado de janeiro a outubro de 2001, comparado com o mesmo período do ano passado, o aumento no volume de protestos em geral (pessoas físicas e jurídicas) foi de 12%.Este total não inclui os títulos protestados no Estado de São Paulo, já que existe uma sobrecarga de títulos de créditos acumulados, há muito vencidos e não pagos, principalmente cheques sem fundos, de qualquer valor, que agora estão sendo levados pelos credores de uma vez aos Cartórios, estimulados pela legislação em vigência, apenas no Estado de São Paulo.Sem computar os números relativos aos protestos no Estado de São Paulo, a evolução de protestos de pessoas físicas no restante do País aumentou 16,5% e os de pessoas jurídicas cresceram 10,3% no mesmo período. Foram 1 milhão de protestos de pessoas físicas e 2,5 milhões de pessoas jurídicas.No total, com a inclusão do Estado de São Paulo, o estudo da Serasa registrou 6,4 milhões de protestos (pessoas físicas e jurídicas) nos dez primeiros meses deste ano, contra 4,5 milhões entre janeiro a outubro de 2000, representando um aumento de 40,9%.Os altos índices de inadimplência podem levar os bancos a serem mais seletivos na concessão de crédito. Além disso, as altas taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras são usadas como uma forma de compensar as perdas com valores não honrados. Veja no link abaixo as principais recomendações para usar bem o décimo terceiro salário neste momento de juros altos e aumento da inadimplência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.