Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Serasa aponta aumento da inadimplência neste ano

O Indicador Serasa de Inadimplência da Pessoa Física, que contempla todas as modalidades de inadimplência da economia brasileira (registros de cheques devolvidos, títulos protestados, dívidas vencidas com instituições financeiras, empresas do varejo, cartões de crédito e financeiras), recuou 3% em junho na comparação com o mês anterior. Entretanto, na comparação com junho de 2004, a inadimplência de consumidores registrou alta de 15,9% e no primeiro semestre de 2005, o índice foi 13,8% maior que no mesmo período do ano passado.Para os técnicos da Serasa, esse comportamento se explica, por um lado, pelo maior endividamento e as altas taxas de juros, que comprometem a capacidade de pagamento das famílias. Por outro lado, as recentes quedas de preços em bens de consumo essenciais, como alimentos e transportes, bem como a tímida elevação da massa de salários em junho, colaboram para um aumento da renda disponível.De acordo com o levantamento, em junho de 2005, os cheques sem fundos registraram a maior representatividade na inadimplência de consumidores. No sexto mês de 2005, os registros de cheques sem fundos representaram 35,8% do total do indicador de PF (Pessoa Física). No mesmo mês de 2004, o índice era de 35,0% e, em 2003, os registros tinham um peso de 36,0%.As dívidas com cartões de crédito e financeiras ficaram atrás dos cheques sem fundos na representatividade da inadimplência. Em junho de 2005, os registros das dívidas com cartões e financeiras representaram 34,2% do indicador de PF, em 2004 o índice era de 33,8% e em 2003, de 33,0%.O índice que aponta os registros das dívidas com os bancos apresentou a terceira maior participação no indicador, com 28,2%. Em junho de 2004, os registros tinham um peso de 29,5% e no mesmo período de 2003, representaram 29% do indicador. Finalmente, os títulos protestados representam, há cerca de três anos, menos de 2% das dívidas não pagas de pessoas físicas.O valor médio das anotações negativas de cheques sem fundos de pessoas físicas foi R$ 526,79 em junho de 2005. Já o valor médio de títulos protestados foi R$ 730,51, enquanto os registros no sistema financeiro tiveram um valor médio de R$ 1.024,28, e os registros em outros segmentos (cartões de crédito e financeiras), de R$ 254,59.Pessoa JurídicaDe acordo com o Indicador Serasa de Inadimplência da Pessoa Jurídica (índice que contempla os registros de cheques devolvidos, títulos protestados e dívidas vencidas com os bancos), a inadimplência de empresas registrou queda de 3,2% em junho de 2005, na comparação com maio de 2005, mês em que havia registrado alta de 4,0% ante abril. Na comparação do primeiro semestre de 2005 com o mesmo período do ano passado, houve alta de 10,4%. O crescimento na inadimplência de empresas também foi registrado na relação junho de 2005 com junho de 2004,quando o aumento verificado foi de 18,4%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.