Serasa: aumentam os cheques sem fundo

Estudo da Serasa mostra que o volume de cheques devolvidos por falta de fundo em outubro é o segundo maior do ano. De acordo com o levantamento da Serasa, a cada mil cheques compensados, foram devolvidos 10,7 cheques, ou 1,07%. Essa marca só foi batida em março, quando foram devolvidos 11,1 cheques a cada mil compensados. De acordo com dados da Serasa, o crédito concedido cresceu 55% entre 31 de dezembro de 1999 e 30 de setembro deste ano. Só estão computadas neste número as operações de empréstimo e as compras feitas em parcelas com cartões de crédito, sem considerar as operações com cheque especial e as compras comcartões em uma única parcela, que são consideradas á vista.Na avaliação assessor econômico Carlos Henrique de Souza Almeida, de Souza Almeida, o aumento do volume de cheques devolvidos deve-se, então, ao crescimento do crédito concedido, e principalmente ao alongamento dos prazos de financiamento com cheques pré-datados, particularmente para o Dia dos Pais. Uma das explicações, segundo ele, é que empresas sem estrutura para conceder crédito ou com departamentos cadastrais menos organizados, decidiram prolongar prazos de cheques pré-datados.Com essa medida, comerciantes fazem operações de maior risco, e o aumento da devolução é uma das conseqüências. Souza Almeida diz que ao tratar a venda a prazo como venda á vista, o comerciante pode ser surpreendido já no segundo cheque, daí a necessidade de aumentar o controle na concessão de crédito. Acumulado do ano: 10 devoluções a cada mil chequesAs devoluções este ano também estão maiores que as de 1999 no período acumulado entre janeiro e outubro. Neste ano, foram 10 devoluções a cada mil cheques compensados, o que representa 0,7 ponto percentual acima do do ocorrido no mesmo período do ano passado, de 0,4 ponto percentual. Segundo o estudo, nos dez meses deste ano, foram 10 devoluções a cada mil cheques compensados, isto representa um aumento de 0,7 ponto percentual acima do verificado em igual período de 99 e 0,4 ponto percentual acima do registrado em 1998.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.