Serasa: cai a inadimplência nacional

O índice nacional de inadimplência caiu nos primeiros oito meses deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. A região Sudeste foi a que obteve a maior queda de calotes no período, com 1,8 milhão de títulos protestados, um recuo de 20,3% em relação ao ano anterior. A informação consta da pesquisa divulgada pela Serasa.Apesar de todas as regiões do País registrarem quedas de títulos protestados, a participação das pessoas físicas no acumulado do ano (até o mês de agosto) de protestos diminuiu apenas na região Nordeste. Na opinião de Carlos Henrique de Almeida, assessor econômico da presidência da Serasa, o aumento da participação das pessoas físicas no acumulado do ano é causado pelo crescimento de 45% da oferta de crédito no período de janeiro a agosto deste ano em comparação ao igual período do ano passado.No entanto, em todas as regiões do país foram verificadas as diminuição de títulos protestados de pessoas físicas. Segundo Oliveira, as razões para as quedas de inadimplências são o crescimento da atividade econômica brasileira, acompanhada pela maior oferta de empregos, e as reduções da Taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). Sudeste tem a maior quedaNo total de protestos, a região Sudeste foi a que teve a maior queda, com 1,8 milhão de títulos protestados entre janeiro e agosto deste ano, um índice 20,3% inferior ao verificado no mesmo período do ano passado. Os protestos de pessoas físicas caíram para 18,3% no período. No acumulado do ano, a participação de pessoas físicas nos protestos subiu de 33,1%, em 1999, para 34%, em 2000. A queda de inadimplência da região Nordeste foi a segunda maior do País. O índice de títulos protestados ficou 19,3% menor do que o do ano passado, sendo que a inadimplência de pessoas físicas caiu 23,8%. A participação das pessoas físicas no acumulado do ano para 22,6%, neste ano, ante os 23,9% no ano passado.Já a região Sul, com a retração de 18,8% no índice de calotes, ficou com a terceira posição na pesquisa. Os protestos de pessoas físicas cederam 17,4%. No acumulado de 2000, a participação das pessoas físicas subiu de 29,6%, em 1999, para 30,1%, este ano.A região Norte do País teve um total de 265 mil protestos nos primeiros oito meses deste ano, um índice 16,5% menor do que o de igual período de 1999. Segundo a Serasa, os protestos de pessoas físicas recuaram 15%. A participação de pessoas físicas no acumulado de títulos protestados subiu para 36,1% neste ano, ante os 35,5% verificados no ano anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.