Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Serasa registra crescimento de 5,9% na inadimplência

Pesquisa divulgada hoje pela Serasa mostra que, de janeiro a agosto desse ano, a inadimplência de pessoa física cresceu 5,9% em relação a igual período de 2002. Na comparação com o ano de 2001, a evolução foi de 30,1%. Já a inadimplência de pessoa jurídica apresentou elevação de 5,7% nos primeiros oito meses de 2003 na comparação com o ano passado, que teve alta de 10,1% sobre 2001. A inadimplência total (pessoa física e jurídica) cresceu 4,2%, de janeiro a agosto desse ano.De acordo com o estudo, os cheques devolvidos representaram 36% do total do indicador de pessoa física. No ano anterior, o porcentual atingiu 37%, ante 43% registrados em 2001. A pesquisa aponta que o registro de inadimplência de cartões de crédito e financeiras de pessoa física foi de 33%, ante 34% em 2002. Em 2001, o porcentual foi de 30%.Segundo a Serasa, a maior representatividade na inadimplência de pessoa jurídica verificada foi na de títulos protestados: 48% em 2003 e 49% em 2002 e 2001. Em seguida aparecem os cheques sem fundos, que totalizaram 37% do indicador de inadimplência da Serasa - porcentual que também foi verificado em 2002, enquanto que no ano anterior foi de 38%.Para o consumidor, a pesquisa mostra que o desemprego, a queda da renda, os juros elevados e o aumento das tarifas públicas e impostos foram determinantes para a renda disponível, o que dificultou o pagamento de compromissos assumidos. Já para as empresas, os juros reais em alta e a baixa atividade econômica foram responsáveis para a pontualidade de pagamento junto aos fornecedores. As expectativas, conforme os dados, são de que a esperada recuperação da atividade econômica, ainda nesse ano, traga uma queda mais acentuada na inadimplência e sinalize melhores condições para a oferta e a demanda por crédito já no início de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.