Serasa vê desaceleração no crescimento da economia

No trimestre encerrado em abril, a expansão registrada foi de 0,9%, um resultado abaixo do verificado no trimestre encerrado em março

Circe Bonatelli, da Agência Estado, Agencia Estado

22 de junho de 2011 | 12h53

O ritmo de crescimento da economia brasileira dá sinais de desaceleração, segundo pesquisa divulgada hoje pela Serasa Experian. No trimestre encerrado em abril (fevereiro, março e abril), a expansão registrada foi de 0,9%, um resultado abaixo do verificado no trimestre encerrado em março (janeiro, fevereiro e março), de alta de 1,3%. Os porcentuais já estão livres das influências sazonais.

Na avaliação dos economistas da entidade, o resultado mostra que, "após o forte ritmo de crescimento observado no primeiro trimestre de 2011, as medidas fiscais e monetárias começam a produzir certa desaceleração na economia a partir deste segundo trimestre".

Na comparação de abril ante março, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil se manteve estável, segundo o cálculo da Serasa Experian. A pesquisa também mostra que a atividade econômica cresceu 2,4% em abril ante o mesmo mês do ano passado e apresentou expansão de 5,6% nos 12 meses encerrados em abril.

Os dados sobre atividade econômica levam em consideração dados compilados e analisados pela Serasa Experian. O informe oficial sobre o PIB do País é de responsabilidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulga o dado a cada trimestre.

Consumo e investimentos

Pela pesquisa da Serasa Experian, a estabilidade da atividade econômica em abril ante maio é resultado da redução de 0,1% no consumo das famílias e do recuo de 1,3% nos investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo). No mesmo período, houve expansão de 0,1% no consumo do governouma alta de 1,5% nas exportações e elevação de 8,9% nas importações de bens e serviços. Entre os indicadores de oferta, os setores de agropecuária e serviços cresceram 1,8% e 0,3%, respectivamente. Já a indústria mostrou recuo de 1,9%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.