Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Serra diz que não tratou de venda da Nossa Caixa com Mantega

Governador de SP nega conclusão da aquisição, apesar de especulações no mercado a respeito do anúncio

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

11 de novembro de 2008 | 17h16

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), negou que tenha tratado das negociações relativas à venda da Nossa Caixa para o Banco do Brasil em reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta terça-feira, 11. "Não conversamos (sobre o tema), por incrível que pareça. Este é um assunto que não está concluído, apesar do noticiário em contrário. Apesar das especulações a esse respeito, na hora que estiver concluído, será anunciado", afirmou o governador aos jornalistas.   Veja também: De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos   Segundo fontes, o acordo de venda da Nossa Caixa ao Banco do Brasil deve ser anunciado em breve. Há especulações sobre o valor de venda do banco, que poderia variar de R$ R$ 6,4 bilhões a R$ 7 bilhões. Esse montante é obtido a partir de um indicador básico, que é o patrimônio líquido da instituição estadual, que corresponde a 3,2 bilhões. O patamar de R$ 6,4 bilhões equivale ao dobro do PL, o que é um conceito clássico de referencial para negociações de instituições financeiras no Brasil. Os R$ 600 milhões adicionais, seriam o equivalente a uma espécie de prêmio aos controladores pela aquisição do banco.   O governador evitou comentar em que estágio estão as negociações de venda da Nossa Caixa para o Banco do Brasil. Perguntado se estão adiantadas, ele apenas sorriu, indicando de forma educada que não poderia se manifestar sobre o tema. Contudo, Serra ressaltou que, quando a operação estiver definida formalmente, enviará um Projeto de Lei relativo à alienação da Nossa Caixa ao BB à Assembléia Legislativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.