Serra: não haverá intervenção no BC por conta do câmbio

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, disse que, se eleito, não vai fazer nenhuma intervenção no Banco Central (BC) para resolver o problema do câmbio. "Nós temos um regime de responsabilidade fiscal, de metas de inflação, de flexibilidade cambial, de flutuação - e vamos manter esse regime. Ter uma equipe entrosada: Fazenda, Planejamento e Banco Central trabalhando junto, procurando uma relação câmbio-juros melhor do ponto de vista do emprego e da economia. Isso não vai ser feito bruscamente", garantiu Serra, em entrevista gravada ao programa "Bom Dia Brasil", da TV Globo.

ROSANA DE CASSIA, Agencia Estado

22 de setembro de 2010 | 09h50

Com relação às importações, Serra disse que pretende implantar uma defesa comercial para evitar os abusos que ocorrem desde o período de abertura da economia, no governo Collor, até hoje. "Eles abriram e não cuidaram de defesa comercial, de alfândega", afirmou. "Até hoje tem chinês vendendo sapato para o Brasil que vem dois ou três e uma caixa. Produto chinês entra pela metade do preço e paga por fora. E aí a mercadoria importada não paga imposto e a produção nacional paga. Isso não tem cabimento", criticou.

"O governo reconheceu a China como economia de mercado, o que é um erro. Ficamos mais amarrados ainda de práticas desleais de comércio. É nesse sentido que eu digo que a abertura foi mal feita. Você devia ter feito as duas coisas gradual e simultaneamente, aperfeiçoando ou criando mecanismos de defesa comercial", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010José SerraBCcâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.