Serra se diz 'sócio' de nova linha da Ford em Taubaté

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), participou hoje da inauguração da linha de produção do motor Sigma na fábrica da Ford em Taubaté, no Vale do Paraíba. Acompanhado pelo vice-governador, Alberto Goldman, pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Geraldo Alckmin, e pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PSB), o governador disse que foi graças a ele, quando foi ministro no governo Fernando Henrique Cardoso, que a Ford permaneceu no Brasil.

LUARA BODINI, Agencia Estado

17 de dezembro de 2009 | 16h40

"No começo do governo do presidente Fernando Henrique, quando eu era ministro do Planejamento, nós adotamos uma política para a indústria automotiva brasileira. Naquele momento, a Ford estava arrumando as malas para ir embora do Brasil, por causa das condições de competitividade." Segundo Serra, ele assumiu um papel fundamental para a permanência da empresa no País. "Devo dizer que eu fui o principal impulsionador e fizemos uma medida provisória que criou um novo regime de incentivos ao setor, do ponto de vista tributário e de comércio exterior. Portanto eu me sinto também, não só governador, como homem público, mas também sócio deste projeto."

A produção do novo motor, que é fabricado com bloco, cabeçote e cárter de alumínio, tem como destaque o baixo peso, alta performance, baixo consumo e baixa emissão de poluentes. De acordo com a Ford, o novo motor de 16 válvulas gera uma potência de 115 cavalos a 5.750 rotações por minuto com álcool e 110 cavalos a 6.250 rotações por minuto com gasolina. Para que o motor pudesse ser fabricado, a Ford recebeu investimentos de R$ 600 milhões, anunciados pela montadora no início deste ano. Além do investimento, o aumento na produção motivou também a contratação de 278 novos funcionários.

Atualmente, técnicos da Ford estão realizando o "try-out", termo empregado para testes de pré-produção que verificarão eventuais necessidade de ajustes durante as etapas da linha de produção. "A linha Sigma representa um grande passo em relação ao avanço em sustentabilidade e economia para atender às exigências do mercado" , declarou o presidente da Ford Brasil e Mercosul, Marcos de Oliveira.

O Complexo Industrial de Taubaté tem dois mil funcionários em área total de 819 mil metros quadrados (sendo 100 mil metros quadrados de área construída). Além dos motores, a unidade também é responsável pela produção de transmissões, em três turnos de trabalho. A unidade conta ainda com uma fundição de cabeçote para o motor. Em quase 40 anos de atividades, a fábrica já produziu mais de 4,3 milhões de motores, cerca de metade deles exportados para os EUA, Argentina e Venezuela. A expectativa da montadora é de se chegar à fabricação de 150 mil unidades do novo motor por ano.

Tudo o que sabemos sobre:
montadoraFordJosé SerraTaubatéSigma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.