Serviço ficou mais caro nos últimos 3 anos

Empresas reclamam da baixa qualidade dos trabalhadores e da insegurança jurídica

, O Estadao de S.Paulo

18 de maio de 2009 | 00h00

Quase metade das indústrias que contrataram mão de obra terceirizada nos três últimos anos pagou custos maiores do que o esperado. É o que mostra pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com 1.443 empresas. Esse problema foi apontado por 48% das empresas que terceirizaram os serviços. A queixa mais frequente, registrada por 58% delas, foi a baixa qualidade dos trabalhadores. 47% das indústrias apontaram a insegurança jurídica, ou seja, o temor de sofrer um processo trabalhista, como um dos três maiores problemas da terceirização. Apesar desses problemas, 46% das entrevistadas acham que perderiam competitividade, se não pudessem contratar terceirizados e 79% pretendem manter ou aumentar a terceirização. Mais de metade das indústrias brasileiras, ou 54%, usou mão de obra terceirizada, segundo a pesquisa da confederação. Isso coloca o Brasil na média mundial, segundo o professor José Pastore, consultor da CNI. Ele observou, porém, que em alguns países da Europa e no Japão, a terceirização fica entre 70% e 80%. CUIDADOS A redução dos custos é o principal atrativo da terceirização. Para 91% das empresas pesquisadas, ela é determinante para a decisão de contratar terceirizados. No entanto, a prática mostra que a terceirização é mais complicada do que muitos pensam. A empresa que contrata terceirizados tem de recolher as contribuições ao INSS desses trabalhadores, enquanto eles estiverem a seu serviço. O pagamento de outros direitos, como o FGTS, férias e 13º salário ficam por conta da empresa que presta o serviço, mas é recomendável que a contratante monitore. Segundo o gerente executivo da Unidade de Relações do Trabalho e Desenvolvimento Associativo da CNI, Emerson Casali, grandes empresas muitas vezes contratam uma auditoria específica para isso. A precaução é necessária, pois se a companhia que presta o serviço não honrar seus compromissos, a contratante pode ficar responsável pela conta. Não por acaso, a terceirização é mais comum entre as grandes empresas do País. Entre as pequenas, 42% usam terceirizados. Nas médias, o porcentual sobe para 63% e nas grandes, 74%. Para a CNI, a terceirização não deve ser vista como uma forma de cortar custos, mas como uma evolução do processo produtivo, que está sendo adotada no mundo inteiro. Da mesma forma que uma fábrica de automóveis compra todas as peças prontas, eles acreditam que a indústria tende a fragmentar cada vez mais sua produção. Do ponto de vista da entidade, a terceirização é uma oportunidade para contratar mão de obra altamente especializada. L.A.ONÚMEROS91% das empresas pesquisadas pela CNI afirmam que a redução de custo é o fator determinante para contratação de mão de obra terceirizada58% das empresas afirmam que a qualidade dos trabalhadores é baixa47% das empresastemem sofrer um processo trabalhista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.