Serviços dos Correios terão reajuste de até 17,6%

Maior aumento será para carta internacional; carta nacional simples terá reajuste médio de 8,5%, para R$ 0,65

Gerusa Marques, da Agência Estado,

25 de julho de 2008 | 13h31

Após um período de 21 dias de greve dos funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), os serviços postais dos Correios terão aumento médio de 7,9%. Segundo o Ministério das Comunicações, ainda não está decidido quando o reajuste entrará em vigor. Para que isso ocorra, é necessária a publicação de uma portaria pelo ministério. O assunto será tratado pelo ministro Hélio Costa a partir da próxima segunda-feira. Os porcentuais foram calculados pela ECT no início do ano, com base nos custos operacionais da empresa, e submetidos ao Ministério da Fazenda, que autorizou o reajuste. O maior índice de aumento, de 17,6%, será para carta internacional, com destino à Europa. De acordo com a empresa, a carta nacional simples terá reajuste médio de 8,5%. O valor da carta de até 20 gramas passará dos atuais R$ 0,60 para R$ 0,65. A carta comercial terá aumento médio de 10,7% e, na faixa de peso de até 20 gramas, subirá de R$ 0,90 para R$ 1,00. Segundo a ECT, o telegrama de balcão, enviado de uma agência dos Correios, subirá de R$ 5,25 para R$ 5,85. O telegrama fonado, enviado de um telefone, passará de R$ 4,23 e R$ 4,80. E o telegrama pela internet subirá de R$ 3,78 pra R$ 4,05. Os Correios informam os valores do Sedex não terão aumento, já que foram reajustados em 8,38% em abril deste ano. Também não terá reajuste a carta registrada nacional, que permanece em R$ 2,60. Já a carta registrada internacional subirá de R$ 3,50 para R$ 3,60. Greve A ECT e o Ministério das Comunicações procuraram desvincular o aumento dos serviços postais da greve dos funcionários da estatal. A empresa disse que os índices foram propostos pelos Correios no início do ano e que o reajuste acontece anualmente. A assessoria do Ministério das Comunicações disse que os Correios já tinham uma previsão de aumento de 30% para 73% dos 53 mil carteiros e que o maior problema que levou à paralisação foi o plano de cargos e salários, que voltará a ser negociado entre empresa e trabalhadores. O acordo que resultou no fim da greve estabelece o pagamento definitivo de abono de 30% sobre o salário base para 43 mil carteiros da distribuição e coleta externa. Também está previsto o pagamento de um adicional fixo de R$ 260,00 mensais para outros 16 mil funcionários, incluindo motoristas e atendentes de agências dos Correios. A estimativa dos Correios é de que o acerto represente um impacto de R$ 10 milhões mensais no orçamento da empresa. Protesto Cerca de 100 funcionários do edifício da sede central dos Correios, em Brasília, que não aderiram à greve realizaram nesta sexta um protesto pacífico em repúdio ao pagamento dos dias não trabalhados aos grevistas. Em frente ao prédio, eles deram as mãos e gritaram palavras de ordem em apoio à empresa.                                                                                                                              Celso Junior/AE

Mais conteúdo sobre:
CorreiosReajusteGreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.