Divulgação
Divulgação

Servidor paga parcela, mas é acusado de calote

Funcionário da secretaria da Saúde do Tocantins sofreu desconto em folha, mas foi surpreendido com carta de cobrança do banco

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

16 Julho 2016 | 05h00

Um mês depois de levantar um empréstimo consignado de R$ 5 mil para quitar despesas de emergência, o funcionário público da secretaria da Saúde do Estado do Tocantins, Paulo Antonio Pereira, foi surpreendido com uma carta de cobrança da Caixa avisando que a prestação de R$ 123 estava atrasada há 45 dias.

“Fiquei surpreso”, diz o funcionário. É que a prestação tinha sido descontada do pagamento e o banco o acusava como inadimplente.

Segundo Pereira, muitos colegas de trabalho estão passando pela mesma situação: estão recebendo aviso de cobrança indicando que estão inadimplentes, mesmo tendo as prestações de consignado descontadas do holerite.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Tocantins, Claiton Pinheiro, o fato de o Estado não ter repassado o pagamento do consignado para os bancos tem levado muitos funcionários para a lista de negativados. “Muitos estão indo para a lista de inadimplentes da Serasa do SCPC sem saber”, diz o presidente. Segundo Pinheiro, essa é uma “irresponsabilidade” do governo. 

Mais conteúdo sobre:
Pereira Tocantins Serasa Pinheiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.