Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Sindicato dos servidores do BC diz que greve poderá afetar atividades preparatórias para Copom

Iniciada na semana passada, greve dos servidores busca reestruturação de carreira e tem prazo indeterminado

Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2022 | 08h37

BRASÍLIA - O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) subiu ainda mais o tom em relação aos serviços e funções do órgão que podem ser afetadas pela greve dos servidores. Em nota divulgada nesta quarta-feira, 6, o Sinal afirmou que a greve continua por tempo indeterminado e que poderá afetar as atividades preparatórias para o Comitê de Política Monetária (Copom) e para o Comitê de Estabilidade Financeira (Comef), além de poder “afetar ainda mais” a divulgação do Boletim Focus e de diversas taxas financeiras, como a ptax.

Na avaliação do Sinal, os relatórios e análises preparatórias para o Copom e para o Comef não são atividades essenciais, seguindo o parâmetro da lei da greve. Na terça, em resposta ao questionamento da reportagem, o Banco Central (BC) disse que o Boletim Focus, os indicadores selecionados e as notas estatísticas, como de crédito, só serão publicados após o fim do movimento, mas afirmou que “a produção das apresentações de conjuntura para o Copom é atividade essencial e, portanto, será realizada durante a greve”.

Segundo afirmou o presidente do Sinal, Fábio Faiad, ao Estadão/Broadcast, a negociação da lista de serviços essenciais ainda continua. O sindicato ainda reforçou que os servidores não vão interromper o Pix, mas que o serviço pode ser afetado parcialmente pelo monitoramento e manutenção precários durante a greve.

“A greve poderá interromper parcialmente a distribuição de moedas e cédulas. E poderá interromper, parcial ou totalmente, a divulgação do boletim Focus e de diversas Taxas, as atividades prévias de preparação do Comef e do Copom, o atendimento ao público, reuniões e eventos com o sistema financeiro e outras atividades”, disse, em nota.

“As atividades que forem colocadas em contingência terão ampliação de risco operacional e podem sofrer interrupções parciais por conta de problemas derivados disso, haja vista a precária manutenção e o insuficiente monitoramento causados pelo regime de contingência: mesas de operações, sistema do PIX etc”, completou.

A greve dos servidores do BC foi iniciada na última sexta-feira (1º) e tem prazo indeterminado, em busca de reestruturação de carreira e recomposição salarial de 26,3%. A expectativa é de adesão de 60% dos servidores, cerca de 725 dos comissionados já deixaram seus cargos, conforme o Sinal.  Um analista do Banco Central recebe, em média, R$ 26,2 mil mensalmente.

O sindicato tem feito assembleias regulares para definir os rumos do movimento. Ontem, houve a presença de 1.270 servidores, segundo o Sinal, de um total de 3.500 na ativa, em que 90% votaram pela continuidade da paralisação. Na sexta-feira (8), deve ocorrer outra reunião.

A assembleia ocorreu após o encontro entre o Sinal e o secretário de Gestão de Pessoas do Ministério da Economia, Leonardo Sultani. Segundo o presidente do Sinal, Fábio Faiad, o governo não apresentou qualquer proposta oficial para a reestruturação da carreira e para aumentar os salários.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.