Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Servidores do BC criticam 'uso eleitoral' do Pix por Bolsonaro e decidem manter greve

Segundo o presidente do Sindicato Nacional de Funcionários do BC (Sinal), a manutenção da paralisação por tempo indetermidado foi aprovada por ampla maioria nesta terça-feira

Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2022 | 17h36

BRASÍLIA - Os servidores do Banco Central decidiram manter a greve por tempo indeterminado em assembleia na tarde de hoje. Segundo o presidente do Sindicato Nacional de Funcionários do BC (Sinal), Fábio Faiad, a manutenção da paralisação foi aprovada por ampla maioria nesta terça-feira, 10, e deve-se à ausência de negociação com o governo.

O Sinal ainda repudiou hoje o que classificou como “uso eleitoral do Pix”. O presidente Jair Bolsonaro tem destacado a ferramenta como um dos projetos de seu governo. “Tal sistema de pagamento instantâneo foi criado e implementado pelos Analistas e Técnicos do Banco Central do Brasil - ou seja, por servidores concursados de Estado, não pelo atual governante ou por qualquer outro governo.”

No mês passado, Bolsonaro disse que não usa Pix. “Não tenho, estou a fim de fazer um aí. Cai dinheiro na conta da gente de graça? Se pedir, o pessoal bota? Vou fazer meu Pix aí”, disse o presidente, aos risos, em transmissão ao vivo nas redes sociais.

Em outubro de 2020, quando foi parabenizado por apoiadores pelo Pix, o presidente disse não saber do que se tratava a ferramenta. “Não tomei conhecimento. Vou conversar essa semana com o Roberto Campos Neto [presidente do Banco Central”, disse, na ocasião. À época, o Pix ainda não estava em funcionamento, mas já havia sido anunciado pela autarquia após dois anos de discussão. 

Depois do sucesso da ferramenta - que já responde por 72% das operações, considerando TED, DOC, TEC, boleto e cheque - integrantes do governo, como o ministro das Comunicações, Fábio Faria, passaram a enaltecer a iniciativa como um projeto do presidente.

O sindicato destaca que a portaria que instituiu o grupo de trabalho para desenvolver a ferramenta é de maio de 2018, anterior à eleição do presidente Jair Bolsonaro. “Outra coisa: não se tem notícia de qualquer referência ao Pix no programa eleitoral entregue em 2018 pelo então candidato Jair Bolsonaro ao Tribunal Superior Eleitoral.”

Além disso, o presidente do Sinal ainda destacou que governos anteriores já atuaram contra a autonomia técnica do BC e que a administração atual “criou obstáculos” para implementação do Pix e de outros projetos com a redução do orçamento da autarquia, por exemplo.

Novela do reajuste

Conforme apurou o Estadão/Broadcast, o governo deve decidir sobre o reajuste dos funcionários públicos federais até o dia 22 e a tendência é dar um aumento linear de 5%, o que os sindicatos, inclusive o Sinal, consideram insuficiente.  A categoria pede recomposição salarial de 27%, além de pautas de reestruturação de carreira.

“Até o momento, não há nenhuma reunião marcada com o governo ou com o Roberto Campos Neto (presidente do BC), apesar de nossos diversos pleitos nesse sentido”, disse Faiad.

Na opinião do Sinal, o Comitê de Estabilidade Financeira (Comef) não é atividade essencial pela lei da greve. O Comef está marcado para o dia 26 de maio. “Logo, vamos batalhar para que não haja a realização do Comef. Ou, se houver, que seja adiado e com escopo bastante reduzido.”

A greve dos servidores do BC foi iniciada no dia 1º de abril. De 20 de abril a 2 de maio, a categoria fez uma trégua, como um “voto de confiança” no presidente do BC e na tentativa de avançar nas negociações do governo. Mas, sem novidades, retomou a paralisação no dia 3 de maio.

Com a greve, estão suspensos os boletins e divulgações regulares do BC, como o Boletim Focus, os dados do fluxo cambial e as estatísticas fiscais, de crédito e do setor externo. Há também atrasos na divulgação da taxa ptax diária, o que deixa o mercado financeiro em constante atenção. Já o Pix e o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) estão em operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.