Dida Sampaio/Estadão - 3/12/2021
Dida Sampaio/Estadão - 3/12/2021

Servidores do BC marcam nova paralisação para fevereiro e greve em março por reajustes

Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) aguarda resposta concreta do governo em relação a um reajuste salarial dos servidores neste ano

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2022 | 12h06

BRASÍLIA - Sem qualquer sinalização do governo federal para um reajuste salarial dos servidores neste ano, o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) confirmou nesta sexta-feira, 21, que a categoria fará uma nova paralisação na manhã do dia 9 de fevereiro. A entidade avisou que poderá entrar em greve por tempo indeterminado a partir de 9 de março, caso não haja uma resposta concreta do governo na primeira quinzena de fevereiro. 

De acordo com o sindicato, já na paralisação parcial de 9 de fevereiro poderá haver interrupção parcial do atendimento ao público, da distribuição de células, da manutenção de sistemas informatizados e da prestação de informações para o Sistema Financeiro Nacional. Os servidores do Banco Central irão cruzar os braços de 8h às 12h.

“A nossa conversa com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, está sendo produtiva e positiva. Contudo, as últimas declarações do presidente Jair Bolsonaro, do (líder do governo) deputado Ricardo Barros e do ministro da Economia Paulo Guedes sugerem que o reajuste será dado somente para os policiais federais, excluindo os servidores do BC. Por isso, mantivemos a paralisação de 9 de fevereiro”, afirmou o sindicato em nota.

Na última terça-feira, 18, houve movimento semelhante no Banco Central, com 50% de paralisação, mas sem prejudicar serviços essenciais do órgão. Para o dia 9 do próximo mês, o Sinal espera que a adesão ao protesto chegue a 65% do corpo funcional da instituição. A lista de entrega ou recusa de cargos comissionados já estaria próxima de 2 mil servidores. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.