Fabio Motta|Estadão
Fabio Motta|Estadão

Sete Brasil vai precisar de US$ 5 bilhões em novos recursos

Presidente da empresa disse que contratos com a Petrobrás ainda são válidos e que foi aberta uma mediação para negociar com a estatal para que pelo menos oito deles sejam mantidos

Josette Goulart, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2016 | 21h07

A Sete Brasil apresentou nesta sexta-feira, 12, seu plano de recuperação judicial que prevê novos investimentos da ordem de US$ 5 bilhões para que até 12 navios sondas sejam colocados em operação. O presidente da Sete Brasil, Luiz Eduardo Carneiro, disse em entrevista ao Estado que os contratos com a Petrobrás ainda são válidos e que foi aberta uma mediação para negociar com a estatal para que pelo menos oito contratos sejam mantidos.

O sucesso do plano de recuperação passa primeiro pelo sucesso da negociação com a Petrobrás, que hoje não tem mais a demanda pelos navios como no passado. Depois de fechada a rodada com a petroleira, a Sete terá que ir em busca de novos investidores ou financiadores. A ideia, segundo Carneiro, é que os próprios estaleiros financiem os navios.

A Sete foi envolvida em uma série de denúncias de corrupção e este foi um dos motivos que impediu a companhia de obter um empréstimo de longo prazo do BNDES no início do ano passado. Os estaleiros foram acusados de pagar propina para fechar contratos. Segundo Carneiro, as auditorias feitas na empresa revelaram que nada ilícito foi feito dentro da companhia. "Se aconteceu foi da porta da Sete para fora". 

Tudo o que sabemos sobre:
Sete BrasilBrasilCarneiroBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.