Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Setor aéreo começa a se recuperar no mundo

Números ainda são negativos, mas já indicam uma retomada

Jamil Chade, GENEBRA, O Estadao de S.Paulo

28 de agosto de 2009 | 00h00

A recuperação começa a chega ao setor aéreo, ainda que de forma frágil e graças principalmente a descontos por parte das empresas do setor. Ontem, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) apontou que, em julho, a queda no número de passageiros foi de apenas 2,9% em comparação ao ano anterior, em plenas férias de verão na Europa e Estados Unidos e no mês de férias de inverno no Brasil. O volume de carga transportada foi 11,3% abaixo do mesmo período de 2008.Se os números estão ainda na esfera negativa, a entidade aponta que eles são bem melhores que o que vinha sendo registrado até agora. Em junho, a queda nos níveis de passageiros havia sido de 7,2%, com uma queda de 16,5% no setor de cargas. Comparada com junho, a alta foi de 3% em julho. Em todo o primeiro semestre, o setor registrou uma queda de 6,8% no volume de passageiros no mundo, em comparação com o mesmo período de 2008.A Iata insiste, no entanto, que a recuperação será "volátil e fraca". O alerta é que a crise ainda não terminou e que o setor deve fechar o ano ainda com um buraco em suas contas. "A recuperação começou. Mas há boas razões para acreditar que o caminho para uma retomada maior será mais volátil que em recessões passadas", afirmou a entidade.DIFERENÇAS REGIONAISAs diferenças entre as regiões ainda são grandes. Na Ásia, a recuperação no volume de passageiros ainda é pequena. Mas a alta de cargas, com a retomada da atividade econômica, é importante. Na Europa e Estados Unidos, a realidade é a oposta. Queda ainda do transporte de cargas, mas uma retomada no número de passageiros. O volume de passageiros foi 3,2% abaixo do que foi registrado em julho do ano passado - já bem melhor, no entanto, que os meses anteriores.A Iata alerta que essa alta está ocorrendo diante das promoções feitas por empresas aéreas, e não por causa de um maior poder de compra dos passageiros. Empresas aéreas estão mantendo promoções por mais tempo e promovendo descontos. Em geral no mundo, 80% dos lugares dos aviões estão sendo ocupados pelos passageiros. Mas o excesso de capacidade continua no setor de cargas. Apenas 47,6% da capacidade dos aviões de carga em média está sendo preenchida.Em seis meses, a queda no transporte de carga já foi de 19,3%. Mas o ritmo da contração vem perdendo força, à medida que o comércio mundial volta a ser intensificado. Dados divulgados ontem indicam que o comércio cresceu 2,5% em julho, em comparação com o mesmo mês de 2008. Mas ainda está mais de 10% abaixo dos níveis do ano passado.Depois de perder US$ 8,5 bilhões em 2008, o setor aéreo deve terminar 2009 com um prejuízo de US$ 9 bilhões. "Os próximos meses serão marcados pela incerteza, incluindo no preço do petróleo. A recuperação será lenta e a indústria ainda continua na UTI", disse o diretor da Iata, Giovanni Bisignani.Na América Latina, as empresas tiveram queda de 3,5% no volume de passageiros. Essa foi a única região com um número pior em julho que nos seis primeiros meses do ano. Em termos de cargas, a recuperação na região é uma das melhores, com uma queda em julho de apenas 1,2%, ante 16% na Europa. Só as empresas do Oriente Médio registraram altas, com 13% de crescimento de vendas de passagens em julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.