Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Setor aposta na expansão dos investimentos

Apesar das ameaças do Congresso de derrubar os vetos feitos pela presidente Dilma Rousseff, a nova lei dos portos agradou boa parte dos representantes do setor. Eles acreditam que, com a liberação da carga própria para construção de terminais privados e o fim dos limites para a entrada de empresas armadoras (donas de embarcações), mais investimentos serão atraídos.

RENÉE PEREIRA, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2013 | 02h06

Por outro lado, no entanto, há quem acredite que o volume de recursos privados no setor poderia ser maior se o governo tivesse mantido a prorrogação dos contratos anteriores a 1993 e a antecipação dos arrendamentos pós 1993. Só no primeiro caso, a renovação estava atrelada a investimentos da ordem de R$ 10 bilhões, afirma o presidente da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP), Wilen Manteli.

Mas ele está confiante de que os contratos possam ser negociados com a Secretaria Especial de Portos, caso a caso. Alguns terminais já estão com ação na Justiça pedindo o direito de prorrogação. "Uma judicialização não seria nada bom para um setor que precisa de tantos investimentos. Além disso, o governo não tem capacidade para licitar 50 terminais de uma só vez. Nos últimos dez anos, ele só conseguiu conceder cinco terminais."

O diretor- executivo da Associação dos Usuários de Portos da Bahia (Usuport), Paulo Villa, não concordava com a renovação dos contratos, mas também defende que a regulamentação da lei acelere as decisões no setor. "Todas as mudanças só vão ter reflexo prático num período entre três e sete anos. Ainda vai demorar um pouco para vermos o resultado. Não será imediato." Na avaliação dele, a medida provisória original foi mutilada no Congresso Nacional. "A presidente fez o que tinha de ser feito para manter a essência da lei, que era promover a concorrência no setor e atrair mais investimentos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.