Setor de consórcios cresceu 5,62% em 2000

Levantamento feito Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac) revela que o setor de consórcios registrou um crescimento do número de participantes ativos de 2,67 milhões em dezembro de 1999 para 2,82 milhões no mesmo mês de 2000, um crescimento de 5,62%. O setor de veículos automotores continua sendo o maior representante, com 2,41 milhões de clientes ativos. O número é 2,55% superior ao observado um ano antes, quando chegou a 2,35 milhões de participantes ativos. No ano passado, as administradoras de consórcios comercializaram 1,38 milhão de novas cotas, número 14,05% superior ao de 1999, quando as vendas atingiram 1,21 milhão de cotas. Com o aumento do número de participantes, a inadimplência também cresceu. O índice subiu de 10,46% para 11,26% no mesmo período. Mesmo com esse crescimento, a Abac classificou o índice como "dentro do aceitável". Financiamento pode ser mais vantajoso O consórcio somente é bom negócio para quem é sorteado nas primeiras reuniões do grupo, ou consegue fazer um lance maior que os demais, garantindo assim a entrega do bem. Desta forma, estará usando o dinheiro dos outros consorciados, que nada recebem de remuneração pelas quantias depositadas para o grupo, para bancar sua aquisição. Quem não é contemplado logo no começo do grupo paga os custos e ainda deixa de ganhar a remuneração que receberia se tivesse poupado o dinheiro em alguma aplicação financeira. Por isso se diz que uma opção ao consórcio é poupar o dinheiro em aplicação financeira e depois comprar à vista. O interessado deve sempre comparar o valor da mensalidade do consórcio com o valor da prestação de um financiamento normal, antes de tomar sua decisão. A diferença pode ser muito pequena, sendo que no financiamento não há risco de ficar sem o carro de imediato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.