Setor de consórcios ensaia recuperação no 1º semestre

O sistema de consórcios manteve em junho o volume de 2,91 milhões de participantes. No entanto, segundo a Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (ABAC), o volume de cotas vendidas cresceu. Na comparação com o primeiro semestre de 2002, a variação foi de 7%, passando de 731,7 mil para 783,1 mil. As contemplações foram 5% maiores, de 369,9 mil para 388,9 mil.O segmento de construção civil continua puxando os resultados do setor. Foram comercializadas 28% mais cotas no primeiro semestre (45,1 mil) em relação ao mesmo período do ano passado. O número de consorciados saltou de 108,1 mil em junho de 2002 para 142,5 mil em junho deste ano (+ 31%).Os consórcios de veículos, aí incluídos carros, motos, caminhões, também registram bom desempenho, sobretudo as motocicletas, que representam 55% do segmento. Foram vendidas entre janeiro e junho um volume 11,9% maior que do mesmo período do ano passado, sendo que o crescimento de motos foi de 10%. Já o número de participantes subiu 6,8% -- de 2,49 milhões para 2,66 milhões.MudançasAs mudanças promovidas pelas administradoras de consórcios na comercialização de cotas de eletroeletrônicos estão conseguindo dar fôlego ao segmento. Nos últimos anos, o consórcio destes produtos foi afetado pela perda do poder aquisitivo da população de baixa renda, que eram os principais clientes do produto, e a concorrência com as redes varejistas. Para enfrentar a crise as administradoras decidiram organizar pacotes de produtos, visando por exemplo os consumidores que estão montando uma casa ou aqueles que querem trocar seus eletrodomésticos. Também passaram a incluir equipamentos de maior valor agregado, como home theather ou televisores de tela grande. Com isso, o valor médio da cota que era de R$ 350 passou para R$ 5 mil. Entre março e junho, as vendas portanto se aqueceram, saindo de 11,4 mil cotas para 15,2 mil, o que representou um aumento de 30%, de acordo com dados da ABAC.As medidas, no entanto, ainda não surtiram efeito sobre os números acumulados. O total de participantes neste segmento passou de 315,2 mil em junho de 2002 para 195,8 mil em junho de 2003, o que representou uma queda de 37,8%. O volume de cotas vendidas nos primeiros seis meses do ano chegou a 84,1 mil, mas foi 25,3% menor que as 112,7 mil do mesmo período de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.