Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Setor de construção lidera baixa na Bovespa

O levantamento setorial da empresa de consultoria Economática apurou que o ramo de construção foi o que mais perdeu valor em 2000, acumulando uma desvalorização de 33,2%. Esse desempenho reflete a queda nas ações preferenciais (PN, sem direito a voto) da Sultepa, o único papel listado nesta categoria. A segunda maior perda, de 24,8%, foi registrada no segmento metalúrgico. As principais responsáveis por esse desempenho foram as ações preferenciais da Companhia Paulista de Ferro Ligas, cuja perda foi de 57,2%. Confab PN e Metalúrgica Gerdau PN também contribuíram para o resultado, apurando desvalorizações de 34,3% e 18,6%, respectivamente. Na análise do vice-diretor do Banco Brascan, Ricardo Mattei, todos esses papéis têm em comum o fato de possuírem baixo volume de negócios. Por isso, segundo ele, tal comportamento de queda nos preços dessas ações não sinaliza uma tendência de mercado. As ações que perderam mais valor no ano passado foram as PN da Sharp, somando uma desvalorização de 72,0%. Mattei explicou que esta queda está relacionada ao fato da companhia ter feito pedido de concordata preventiva. O desempenho das ações da Sharp fez com que o ramo de eletroeletrônicos respondesse pela quarta maior baixa do ano. Os papéis do setor somaram uma perda de 22,6%. A quinta maior queda foi a da categoria fumo (-17,4%), seguida por outros (-16,3%) e siderurgia (-14,6%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.