Filipe Araújo/AE
Filipe Araújo/AE

Setor de hotéis, resorts e parques pede para governo cobrir 100% da folha por três meses

Entidades afirmam que entre 75% e 100%  dos eventos de hospedagens corporativas e de lazer estão sendo cancelados

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2020 | 15h01

BRASÍLIA - Associações de hotéis, resorts e entretenimento alegam “risco real” de fechar várias empresas e demissões devido ao avanço do novo coronavírus e pedem socorro financeiro ao governo Jair Bolsonaro. O Estadão/Broadcast apurou que a principal demanda das entidades é que o governo cubra 100% da folha salarial de seus funcionários  por três meses.

Segundo as entidades, estão sendo cancelados de 75% a 100%  dos eventos de hospedagens corporativas e de lazer. A pandemia ainda derrubou a visitação de parques, afirma nota enviada ao governo na segunda-feira, 16.

 “A situação é caótica e em um espaço curtíssimo de tempo, o setor de turismo estará irremediavelmente comprometido, sob pena de suprimir da economia R$ 31,3 bilhões de reais e quatrocentos mil postos de trabalhos diretos”, afirma o documento.

As empresas dizem que “não vão suportar o impacto financeiro” caso não haja intervenção do governo federal. “Ressaltamos que não se trata de prejuízo pontual e imediato, mas sim da desarticulação e falência da cadeia turística nacional que poderá causar consequências permanentes para a economia do país.”

Assinam a nota (reproduzida no final deste texto) as principais entidades do setor.  “A Medida Provisória anunciada nesta terça-feira (16) [sic] pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não representa uma solução para o setor mais duramente afetado por esta crise”, dizem as entidades, referindo-se às propostas do ministro para injetar R$ 147,3 bilhões na economia.

Abaixo, carta enviada ao governo federal: 

"CARTA ABERTA AO GOVERNO FEDERAL

Os setores de hotéis, parques e entretenimento estão em ESTADO DE EMERGÊNCIA. A pandemia do Coronavírus trouxe o risco real de fechamento de várias empresas. As associações hoteleiras e de parques do Brasil, Resorts Brasil, ABIH, FOHB, FBHA, BLTA, Sindepat, Adibra e Unedestinos, responsáveis por mais de um milhão de empregos diretos e indiretos não vão suportar o impacto financeiro caso não haja uma intervenção do governo federal  para garantir a continuidade das empresas e a manutenção dos empregos de seus colaboradores.

A Medida Provisória anunciada nesta terça-feira (16) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não representa uma solução para o setor mais duramente afetado por esta crise. 

Os índices de cancelamento de eventos, de hospedagens corporativas e de lazer estão na ordem de 75%-100%, além de acentuada queda na visitação dos parques, colocam em xeque a sobrevivência destes empreendimentos no país. A situação é caótica e em um espaço curtíssimo de tempo, o setor de turismo estará irremediavelmente comprometido, sob pena de suprimir da economia R$ 31,3 bilhões de reais e quatrocentos mil postos de trabalhos diretos.

Ressaltamos que não se trata de prejuízo pontual e imediato, mas sim da desarticulação e falência da cadeia turística nacional que poderá causar consequências permanentes para a economia do país. 

Resorts Brasil (Associação Brasileira de Resorts)

Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH)

Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB)

Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA)

Brazilian Luxury Travel Association (BLTA)

Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (SINDEPAT)

Associação das Empresas de Parques de Diversões do Brasil (ADIBRA)

União Nacional de CVBx e Entidades de Destinos (UNEDESTINOS)"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.