Setor de informática teve maior queda de salário de 98 a 2003

O salário médio mensal pago pelas empresas do setor de serviços caiu de 4,1 salários mínimos em 1998 para 3,2 mínimos em 2003, mas o total de ocupados do setor cresceu no período, segundo divulgou o IBGE. Houve redução do rendimento (em salários mínimos) em todos os segmentos investigados na Pesquisa Anual de Serviços (PAS), mas a maior queda ocorreu nas atividades de informática (-34%), de 9,4 salários mínimos em 1998 para 6,2 em 2003. No mesmo período, a média de pessoal ocupado por empresa do setor caiu de nove para sete. Apesar da queda na média de ocupados por empresa, que pode estar relacionada ao aumento de empresas de serviços no período (50%), houve crescimento de 28% no total de ocupados do setor, também com destaque, nesse caso positivo, para as atividades de informática (80% de aumento no número de ocupados). Os técnicos do IBGE concluem no documento de divulgação da pesquisa que "os setores de serviços investigados pela pesquisa, no período de 1998 a 2003, tiveram importante papel na geração de postos de trabalho no mercado formal". A avaliação é que o setor de serviços tem absorvido mão-de-obra proveninente dos setores agrícola e industrial, "em função da reestruturação produtiva, por intermédio da terceirização e pela incorporação crescente de atividades de serviços à fabricação de bens". A PAS traz informações sobre a estrutura produtiva do segmento empresarial de serviços não-financeiros no Brasil e estimou em 922.748 o número de empresas operando nesse setor no País. Estas empresas auferiram R$ 326,6 bilhões de receita operacional líquida, empregando aproximadamente 6.758 pessoas, cujos salários e outras remunerações foram de cerca de R$ 63,1 bilhões. O segmento de serviços de informações (telecomunicações, informática, serviços audiovisuais, agências de notícias e serviços de jornalismo) foi o campeão em receita operacional líquida do setor de serviços em 2003. Segundo a PAS, esse segmento representava apenas 4,1% do total de empresas de serviços em 2003, mas foi responsável por 30,7% da receita do setor. Do total da receita dos serviços de informação, 67,7% eram relativos a telecomunicações, que no entanto participavam com apenas 3,9% do total de 37.609 empresas desse segmento. Além disso, os serviços de informações em geral pagavam um salário médio mensal de oito salários mínimos naquele ano, mais que o dobro do salário médio mensal das empresas pesquisadas. Segundo a pesquisa, em telecomunicações, no que diz respeito à receita, o serviço fixo-móvel (R$ 7,319 bilhões) ocupou em 2003 a segunda posição, que pertencia em 2002 à telefonia fixa chamadas interurbanas, que caiu para terceiro do ranking. "Foi notável" o crescimento do serviço de interconexão de telecomunicação sem fio, que subiu de sétima, em 2002, para quarta posição, atingindo receita de R$ 6,503 bilhões. O grupamento de serviços de informática foi responsável por 18% do total da receita dos serviços de Informação em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.