ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Setor de serviços acumula queda de 5% até novembro, diz IBGE

Na comparação de novembro ante outubro do ano passado, houve um ligeiro aumento de 0,1%

Daniela Amorim, Broadcast

12 de janeiro de 2017 | 09h42

RIO - O setor de serviços, medido pela Pesquisa Mensal de Serviços, teve uma queda acumulada de 5% de janeiro a novembro de 2016, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na manhã desta quinta-feira, 12. 

Na comparação de novembro ante outubro do ano passado, houve um ligeiro aumento de 0,1% na série com ajuste sazonal. A taxa de outubro ante setembro foi revisada de -2,4% para -2,3%.

Na comparação com novembro do ano anterior, houve redução de 4,6%, já descontado o efeito da inflação, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços, iniciada em 2012. Em outubro de 2016 ante outubro de 2015, a queda tinha sido de 7,6%.

Desde outubro de 2015, o órgão divulga índices de volume no âmbito da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). Antes disso, o IBGE anunciava apenas os dados da receita bruta nominal, sem tirar a influência dos preços sobre o resultado. Por esse indicador, que continua a ser divulgado, a receita nominal subiu 0,1% em novembro ante igual mês de 2015.

Setores. Todas as atividades de serviços registraram aumento no volume prestado na passagem de outubro para novembro, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada na manhã desta quinta-feira, 12. 

Houve expansão no setor de Outros Serviços (3,3%); Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (2,1%); Serviços de informação e comunicação (1,0%); Serviços profissionais, administrativos e complementares (0,8%); e Serviços prestados às famílias (0,2%). O agregado especial das Atividades turísticas apresentou crescimento de 0,5% em novembro ante outubro.

Todos os segmentos registraram variação superior à média nacional dos serviços, que ficou próxima à estabilidade com ligeiro avanço de 0,1%.

Tudo o que sabemos sobre:
IbgeServiços

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.