Setor de serviços adere à Black Friday

Entre ofertas de eletrônicos e outros itens do varejo, empresas de turismo, de festas infantis e até de comunicação participam do evento

Anna Carolina Papp, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2013 | 02h16

À espera da quarta edição da Black Friday, que ocorre na próxima sexta-feira, brasileiros listam suas compras para aproveitar os descontos de empresas do varejo e do comércio eletrônico. Neste ano, no entanto, entre um celular e uma TV nova, a lista também pode incluir uma viagem ou mesmo uma festa infantil.

Pegando carona no movimento do varejo, as empresas de serviços começam a aderir à data e lançam promoções para não ficarem de fora do evento, que, segundo o E-bit, deve movimentar R$ 390 milhões no e-commerce brasileiro em 2013.  

Um setor que já deu as caras em edições anteriores e neste ano veio com mais força é o de turismo. "É preciso aproveitar esse aumento de tráfego na internet, pois os clientes já ficam esperando oportunidades. Não dava para ficar de fora", afirma Carolina Torres, diretora comercial do site de viagens clickOn.

Na Black Friday do ano passado, o faturamento da empresa foi cinco vezes o de um dia normal. Neste ano, oferecendo 50 destinos com descontos de 30% a 50%, o clickOn espera faturar o equivalente a sete ou oito dias. "Hoje vemos uma mudança de comportamento. Muitas pessoas já presenteiam familiares com viagens, e não apenas com os produtos."

O grupo de viagens e acampamentos Peraltas, formado pelas empresas Brotas Eco Resort e Brotas Aventura, estreou no evento este ano, com direito até a uma "pré-Black Friday" em outubro. "Divulgamos uma pré-promoção para a temporada infantil de férias, e obtivemos 22 inscrições", diz Marília Rabello, gerente-geral do grupo.

Nos acampamentos para crianças durante as férias de janeiro e carnaval, a agência oferece na sexta-feira desconto de 15%. Já para viagens durante o Natal, de 21 a 26 de dezembro, o desconto é de 20%. "Na promoção, a pessoa praticamente ganha uma diária. Com as inscrições até agora, já tivemos um movimento 20% maior em relação ao ano passado", diz ela, que espera alcançar ao menos 30 inscrições de acampamentos de crianças na sexta-feira.

Além de destino para as férias dos filhos, os pais podem contratar na Black Friday até um show de Física para festas infantis. A empresa canadense Mad Science, há cinco anos no País, está oferecendo desconto de 30% em seus sete tipos de shows de ciências, que unem experiências e atividades interativas. Com preço normal, os eventos, para crianças de quatro a dez anos, variam de R$ 590 a R$ 1.800.

A empresa, que faz cerca de 60 festas por mês, quer aumentar o movimento em 30% no evento tradicional do varejo. "Queremos experimentar coisas diferentes. Conheço bem a história da Black Friday americana e me perguntei se (empresa de) serviço não poderia participar", diz Dany Artel, sócio-diretor da empresa.

Para ele, a oportunidade é uma boa data para difundir a cultura de entretenimento educativo em festas, ainda pouco explorada no País. "O cenário tem mudado: já há crianças pedindo cientista maluco em vez de palhaços em suas festas."

Comunicação. Após incentivar todos os seus clientes de tecnologia a participar da Black Friday e de fazer a divulgação de cada iniciativa, a Agência NoAr, de comunicação corporativa, se sentiu tentada a entrar na onda. "Caiu a ficha: por que não poderíamos participar?", diz Marina Mosol, diretora comercial e de marketing da empresa. No dia 19 de novembro, a assessoria lançou no Facebook e no LinkedIn uma promoção: serviços contratados até o dia 29 teriam 20% de desconto na mensalidade, hoje a partir de R$ 3 mil. Na adesão do contrato de seis meses, o desconto sobe para 40%.

Ela afirma que o setor de serviços possui um desafio maior, por lidar com compras que exigem mais planejamento. "A Black Friday está no Brasil há um período curto, ainda predomina a imagem de produtos. Mas devemos ver cada vez mais iniciativas do setor de serviços porque, apesar de importar a data, o brasileiro é inovador."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.