Setor de serviços da China cresce em ritmo mais lento

O setor de serviços da China cresceu em janeiro no ritmo mais lento em quase dois anos e meio, com as empresas recebendo um menor volume de novos negócios, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do HSBC/Markit.

PEQUIM, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2014 | 02h04

O PMI de serviços caiu para 50,7 em janeiro, mínima vista pela última vez em agosto de 2011, embora ainda acima da marca de 50 que separa crescimento de contração. O PMI de dezembro foi de 50,9.

O índice é o último de uma série de quatro PMIs mensais da China, e todos mostraram que o crescimento na segunda maior economia do mundo desacelerou em janeiro por causa da menor demanda local e externa. O PMI de ontem mostrou que o crescimento dos novos negócios atingiu a mínima de sete meses em janeiro, um resultado que pode prolongar o debate entre economistas sobre se a demanda fraca no mês passado foi provocada principalmente pelo início do feriado do ano-novo lunar em 31 de janeiro.

Qu Hongbin, economista do HSBC, disse que o crescimento mais lento no setor de serviços deriva da desaceleração entre as indústrias da China e dos esforços do país para controlar gastos estatais extravagantes.

"Esperamos que o crescimento de serviços se recupere um pouco nos próximos meses", disse Qu. Ele destacou, no entanto, que uma melhora notável depende de um crescimento mais forte da indústria e dos esforços do governo para expandir o setor de serviços por meio de reformas.

O PMI que aponta a atividade industrial da China registrou em janeiro queda pelo segundo mês seguido, atingindo o menor nível dos últimos seis meses. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.