Setor de serviços é o único a registrar crescimento no 1º tri

Segundo dados do IBGE, na comparação com o 4º trimestre, PIB da indústria caiu 3,1% e o da agropecuária 0,5%

Adriana Chiarini e Jacqueline Farid, da Agência Estado,

09 de junho de 2009 | 09h26

O Produto Interno Bruto (PIB) da indústria caiu 3,1% nos primeiros três meses deste ano em comparação com o último trimestre de 2008, de acordo com os dados divulgados nesta terça-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na mesma comparação, a agropecuária recuou 0,5% e o setor de serviços, o de maior peso no PIB, foi o único com variação positiva, de 0,8%.

 

Veja também:

linkPIB cai 0,8% no 1º tri e confirma recessão técnica no Brasil

especialESPECIAL: veja os números do PIB

especialEntenda o que a recessão técnica significa para a economia

 

No primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2008, o PIB da indústria despencou -9,3%; a agropecuária caiu 1,6%, mas o setor de serviços cresceu 1,7%. O valor adicionado pelos três setores teve redução de 1,5% em relação ao mesmo trimestre de 2008 e os impostos sobre produtos tiveram retração de 3,3%.

 

Indústria

 

Todos os segmentos da indústria caíram no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, inclusive a construção civil (-9,8%), de acordo com os dados. A maior queda foi a da indústria de transformação, de 12,8%. A indústria de transformação pesa 57,2% na parte de indústria da pesquisa do PIB e 16,2% no valor adicionado por todos os setores no PIB.

 

A gerente de contas trimestrais do IBGE, Rebeca Palis, citou que as maiores quedas na indústria de transformação foram de máquinas e equipamentos, metalurgia, veículos automotores, mobiliários e vestuário e calçados. Ela observou que parte dos veículos automotores são considerados investimentos, como táxi, van e caminhão.

 

Os serviços industriais como energia, água e saneamento - considerados como um segmento da indústria na pesquisa do PIB - tiveram queda de 4,2% no período. A menor redução foi a da indústria extrativa, de 1,1%, atenuada pelo crescimento de 6,5% da extração de petróleo e gás. A extração de minério de ferro teve queda de 38,1%.

 

Serviços

 

Os setores de serviços ligados à atividade industrial tiveram desempenho negativo no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2008, observou Rebeca. O comércio (atacadista e varejista) teve queda de 6,0% e os serviços de transporte, armazenagem e correio, de 5,6%.

 

Os serviços de intermediação financeira, seguros e previdência lideraram o PIB por vários trimestres com expansões de dois dígitos; desaceleraram, mas mantiveram crescimento, de 5,8% sobre o mesmo período de 2008. "Os seguros e previdência sustentaram (o desempenho desse setor)", disse Rebeca. A parte de intermediação financeira não foi tão bem. "Não é que o crédito não esteja crescendo, mas está crescendo num ritmo muito menor que antes", avaliou ela. Os serviços de informação cresceram 5,4%, a administração, saúde e educação públicas se expandiram 3,1% e os serviços imobiliários e de aluguel, 1,6%.

 

O setor de melhor performance dentro de serviços foi o chamado "outros serviços", que teve alta de 7%, e é formado por uma grande variedade de componentes. "São classificados como outros serviços, além daqueles prestados às empresas, os prestados às famílias, saúde e educação mercantil, serviços de alojamento e alimentação, serviços associativos, serviços domésticos e de manutenção e reparação", diz o comunicado do IBGE.

 

Agropecuária

 

No caso da agropecuária, problemas climáticos prejudicaram a performance do setor no primeiro trimestre, de acordo com Rebeca. Ela citou dados de outra pesquisa do IBGE, a de levantamento sistemático da produção agrícola, que indica que no ano haverá quedas em relação a 2008 nas safras de algodão (19,7%), milho (13,2%), soja (3,9%), fumo (1,2%) e arroz (6,2%).

 

Texto atualizado às 12h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.