Setor do álcool não quer aumento na mistura e sim recursos

O diretor do Departamento de Açúcar e Álcool do Ministério da Agricultura, Ângelo Bressan, disse nesta manhã que o aumento da adição de álcool anidro à gasolina de 26% para 30% não é mais um pleito importante para o setor sucroalcooleiro. Segundo ele, o que o setor está solicitando é um aumento dos recursos para financiar estoques. Bressan explicou que além dos R$ 500 milhões que estão disponíveis para este ano, estuda-se a possibilidade de que os pagamentos feitos pelas usinas do financiamento de R$ 500 milhões concedido no ano passado, sejam reconvertidos em novos empréstimos para o setor, o que dobraria o volume de recursos disponível. Para o diretor, esta seria uma forma mais fácil de atender as usinas que o aumento da mistura do álcool à gasolina. "O aumento da adição de anidro neste momento, pode parecer oportunista e, além disso, poderia criar problemas com a Anfavea, que afirma que o limite máximo que pode ser adicionado à gasolina, sem prejuízo para os motores, é de 26%", disse Bressan, que participa hoje do 3º Workshop ProCana, em São Paulo.

Agencia Estado,

04 Março 2004 | 11h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.