Setor eletroeletrônico tem crescimento real de 7% em 2005

Estatística consolidada da Associação Brasileira das Indústrias Elétrica e Eletrônica (Abinee), divulgada nesta sexta-feira, confirmou que o setor eletroeletrônico apresentou crescimento nominal de 14% no ano passado, com o faturamento atingindo R$ 92,8 bilhões. Descontada a inflação do setor, o crescimento real foi de 7%. De acordo com o presidente da entidade, Ruy de Salles Cunha, apesar do crescimento, o setor foi afetado pelas políticas monetária e fiscal do governo, com "a decorrente elevação da carga tributária, pela valorização do Real frente ao Dólar, pelos juros elevados e também, pelo chamado Custo Brasil, que ainda é um entrave para a atividade do país, com conseqüente perda de competitividade, tanto no mercado interno como no internacional" .ExportaçõesSegundo a Abinee, as exportações encerraram o ano com o expressivo crescimento de 45% na comparação com as realizadas em 2004, atingindo US$ 7,7 bilhões. O setor de Telecomunicações foi o destaque, com as exportações atingiram US$ 2,8 bilhões, um crescimento de 148%. Os telefones celulares responderam pela maior parte desses negócios (US$ 2,4 bilhões).ImportaçõesAs importações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 15,1 bilhões, crescimento de 19% em comparação a 2004. Deste total, US$ 9,6 bilhões, ou seja, 64%, foram de Componentes Elétricos e Eletrônicos. Como resultado das transações comerciais internacionais, os produtos do setor geraram um déficit de US$ 7,4 bilhões, resultado 0,5% superior ao verificado em 2004. A estimativa de crescimento nominal do setor, para 2006, com base nas informações prestadas pelas indústrias pesquisadas, é de 16%, que deverá corresponder a 9% em termos reais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.