Setor energético faz inflação subir 0,4% nos EUA em agosto

Índice ficou dentro da previsão dos analistas; produção industrial cresceu acima do esperado

Cynthia Decloedt e Marcílio Souza, da Agência Estado,

16 de setembro de 2009 | 10h11

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,4% em agosto em relação a julho, informou nesta quarta-feira, 16, o Departamento do Trabalho dos EUA. A alta, que ficou dentro da previsão dos analistas, foi puxada pelo aumento nos preços de energia. O núcleo do CPI, que exclui energia e alimentos, avançou 0,1% em agosto. Em comparação a agosto do ano passado, o CPI caiu 1,5% e o núcleo do índice subiu 1,4%, a menor alta desde fevereiro de 2004.

Os preços no setor de energia saltaram 4,6% em agosto em relação a julho e subiram 23% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os preços da gasolina saltaram 9,1% em agosto ante julho e estão 30% abaixo dos registrados em agosto do ano passado. Já os preços dos alimentos subiram 0,1% em agosto em relação a julho, a primeira alta desde janeiro.

No setor de transportes, os preços subiram 2,3% em agosto em relação a julho. Os preços envolvendo o setor imobiliário, que responde por cerca de 40% do CPI, subiram 0,1% em agosto, na mesma base de comparação.

 

Produção industrial

 

A produção das indústrias americanas cresceu 0,8% em agosto, acima da previsão dos analistas, que era de aumento de 0,6%. Em julho, a produção industrial dos EUA aumentou 1,0%, dado revisado em relação à alta de 0,5% anunciada originalmente.

 

A produção de manufatura aumentou 0,6% em agosto e o índice excluindo veículos automotores e autopeças aumentou 0,4%.

 

A taxa de utilização de capacidade subiu a 69,6% em agosto, de 69,0% em julho. O dado inicialmente estimado para julho havia sido de 68,5%. A média de 1972 a 2008 foi de 80,9%. A previsão para a taxa de utilização da capacidade em agosto era de 69,0%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.