Setor imobiliário diz que veto de Lula trava os negócios

O veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao artigo da lei que acabava com a exigência de as incorporadoras seguirem o Código Florestal em obras nas áreas urbanas poderá travar o setor imobiliário, disse hoje o presidente do Secovi, Romeu Chap Chap, entidade que reúne incorporadores do Estado de São Paulo.Com o veto, nenhum empreendimento imobiliário pode ser construído a menos de 30 metros de uma área de preservação. As construtoras defendiam um recuo de 15 metros. "Com o veto, as empresas vão pensar duas vezes antes de decidir onde e quando investir. Isto é ruim para o setor, que ainda depende de fatores econômicos para crescer", disse o presidente do Secovi. Para ele, a decisão do governo mantém a "confusão, por dubiedade de interpretação" em relação ao entendimento das regras.Multa em condomínioOutro veto do presidente, impedindo o aumento de 2% para até 10% da multa por atraso no pagamento da taxa de condomínio, também desagradou os construtores. "O veto protege o inadimplente. Os condôminos que mantêm os pagamentos em dia vão pagar a conta dos inadimplentes, que não pagam nada mais além dos 2% de multa", disse o vice-presidente do Secovi Cláudio Bernardes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.