Setor imobiliário pode gerar até 250 mil novos empregos

O presidente da Câmara Brasileira da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, estimou que o setor poderá gerar cerca de 250 mil novos empregos se os R$ 3,6 bilhões de recursos captados pelos bancos por meio da caderneta de poupança forem direcionados para o financiamento imobiliário esse ano. Essa é a expectativa de recursos que podem ser direcionados para projetos imobiliários com as medidas anunciadas pelo governo para forçar os bancos a emprestarem mais recursos para o setor. Esse valor leva em consideração R$ 2 bilhões que serão alocados pela Caixa Econômica Federal. Os R$ 1,6 bilhão restantes devem ser direcionados para o setor, com a decisão do governo de reduzir a remuneração dos bancos que não cumprem o direcionamento obrigatório dos recursos captados na poupança para financiamento imobiliário e deixam o dinheiro recolhido no Banco Central. Acompanhado de outros dirigentes do setor, o presidente da CBIC conheceu os detalhes do projeto de lei que o governo vai encaminhar ao Congresso Nacional com medidas de incentivo ao setor imobiliário. O projeto será assinada esta tarde pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e será encaminhado com regime de urgência ao Congresso. Mais projetos Simão informou ainda que na próxima quarta-feira, representantes da CBIC voltarão a se reunir com o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcos Lisboa, para discutir novas medidas de incentivo ao setor, agora voltadas para as áreas de saneamento, transporte e habitação popular. Apesar de não ter sido tema da reunião de hoje, Simão destacou, em rápida entrevista concedida à saída do Ministério da Fazenda, a importância do encaminhamento do projeto de desoneração da folha de pagamento das empresas, que o governo tem que enviar ao Congresso até abril.

Agencia Estado,

04 Março 2004 | 14h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.