Setor imobiliário precisa de mais ajuda, diz conselheiro de Bush

Mais medidas do Congresso e dogoverno Bush são necessárias para estabilizar o mercadoimobiliário norte-americano que atravessa forte crise, afirmouum importante assessor da presidência dos Estados Unidos. No mês passado, o presidente norte-americano, George W.Bush, revelou um plano para ajudar alguns proprietários deimóveis a evitar a execução de seus contratos de empréstimospois cerca de 1,8 milhão de hipotecas com juros baixos sofrerãoincidência de taxas maiores este ano. Ed Gillespie, conselheiro de Bush, lembrou esforçospromovidos pelo Congresso para recuperar o programa federal deadministração de moradias (FHA, na sigla em inglês)desenvolvido em 1934 em meio ao período da Grande Depressãopara tornar imóveis mais acessíveis. Membros do Congresso dos EUA estão tentando trabalhar nacriação de um plano de compromisso para ajudar o setor emcrise. "Há mais a ser feito no front da moradia para resolver aspreocupações das pessoas sobre o mercado imobiliário, incluindouma reforma do FHA e outras reformas que o presidente tempedido", disse Gillespie a jornalistas a bordo do aviãopresidencial norte-americano que levou Bush de volta de seurancho no Texas, onde passou o fim de semana. "Acreditamos que há uma oportunidade para um consensobipartidário sobre esse assunto." Uma idéia que tem sido considerada pelo governo e peloCongresso do país é permitir que as companhias administradorasde hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac comprem financiamentosacima do atual teto de 417 mil dólares, hipotecas conhecidascomo empréstimos jumbo, disse o assessor. Dados divulgados na sexta-feira mostraram que as vendas denovas moradias caíram 9 por cento em novembro, para o menoríndice em mais de 12 anos. Enquanto isso, números liberados nasegunda-feira mostraram que as vendas de residências existentescresceram levemente no mesmo mês. Gillespie fez questão de deixar claro que o governo nãoajudará investidores que fizeram apostas arriscadas. "Você tem que definir uma linha clara para separar aquelesque se encontraram em uma situação difícil e talvez nãoperceberam na época a situação para onde estavam rumando,daqueles que se engajaram em especulação", disse Gillespie. Com os crescentes rumores sobre uma possível recessão, oconselheiro de Bush disse que a Casa Branca está vendoatentamente os dados econômicos e que não descartou a idéia deum pacote de estímulo como recomendado por alguns importanteseconomistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.