coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Setor produtivo tem dificuldade para acessar crédito do BNDES

CNI explica que aumento a aversão ao risco por parte dos bancos que repassam os recursos do BNDES

Fabio Graner, da Agência Estado,

12 de fevereiro de 2009 | 13h58

O setor produtivo está tendo dificuldades para acessar as linhas de capital de giro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A reclamação é do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto. Segundo ele, o problema é que houve um aumento da aversão ao risco por parte dos bancos que repassam os recursos do BNDES, o que estaria provocando um represamento dos recursos. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  "As linhas de capital de giro puras do BNDES ainda não estão sendo operacionalizadas como o setor produtivo gostaria. Isso porque uma parte o banco opera diretamente, e outra é via agentes financeiros. Se os agentes estão mais avessos ao risco, mais retraídos e mais seletivos, é evidente que essas linhas não estão sendo operacionalizadas na velocidade desejada", afirmou. Nesta semana, o BNDES anunciou medidas para ampliar e facilitar acesso das empresas ao crédito da instituições, inclusive nas operações de capital de giro. Por exemplo, o Programa Especial de Crédito (PEC-BNDES), que é voltado para capital de giro às empresas, teve seu prazo de vigência aumentado, bem como os limites de crédito e redução dos juros. Essa linha contava com cerca de R$ 5 bilhões disponíveis, segundo o BNDES. Monteiro voltou a dizer que existe uma preocupação com o crédito de forma geral. "Persiste a preocupação com o crédito, sobretudo para pequenas e médias empresas. Continua a preocupação com os spreads (diferença entre os juros de captação e as taxas cobradas nos empréstimos). O custo das operações continua alto na ponta e isto é uma questão muito séria. E persiste a preocupação com a política monetária. A taxa básica está alta e isto é negativo", afirmou, criticando também o calendário das reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom). Segundo Monteiro, a crise fez estragos maiores em setores que exportam muito. "Eu diria que os setores mais atingidos pela crise são os do complexo mineral-siderúrgico por causa das exportações, papel e celulose e as indústrias que dependem mais do mercado externo", afirmou. Em relação às medidas de estímulo ao setor habitacional, Monteiro afirmou ter "um feeling" de que serão anunciadas antes do carnaval. "A análise está sendo ultimada. Espero o anúncio para antes do carnaval", afirmou. "Nós sabemos que o pacote habitacional é um programa de forte estímulo à produção de unidades habitacionais, o que envolve financiamento para os adquirentes desses imóveis. O Brasil pode fazer muito mais nessa área, que é muito importante", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.