Setor público supera em R$ 12,8 bi meta do FMI para superávit

As contas do setor público (União, Estados, municípios e empresas estatais) apresentaram em setembro um superávit primário - arrecadação menos gastos, exceto pagamento de juros - de R$ 6,044 bilhões. Com esse resultado, o superávit acumulado no ano até setembro subiu para R$ 69,771 bilhões, o equivalente a 5,60% do PIB. No mesmo período do ano passado, o esforço fiscal estava em R$ 66,173 bilhões.Com o resultado de setembro, o governo alcançou com folga de R$ 12,871 bilhões a meta fiscal acertada com o Fundo Monetário Internacional (FMI) até o mês passado. Para o governo alcançar a meta do ano firmada com o FMI (R$ 71,5 bilhões), falta agora apenas R$ 1,729 bilhões de superávit.Resultado das estataisDepois de terem obtido superávit de R$ 5,351 bilhões em agosto, as estatais federais voltaram a apresentar déficit primário de R$ 395 milhões em setembro. As contas de Petrobras e Eletrobras é que têm mais peso no resultado das estatais federais.Já as estatais estaduais tiveram um superávit de R$ 379 milhões e as municipais apresentaram superávit primário de R$ 16 milhões nas suas contas no mês passado. Com o desempenho negativo das empresas estatais federais, as contas as empresas estatais reunidas registraram um superávit primário de apenas R$ 1 milhão em setembro.Governos regionais e UniãoOs governos regionais (Estados e municípios) apresentaram no mês passado um superávit primário de R$ 1,940 bilhão. Os Estados contribuíram para esse resultado com um superávit de R$ 1,687 bilhão. Já os municípios fizeram no mês um superávit primário de R$ 253 milhões. De acordo com dados do Banco Central, as contas do Governo Central (governo federal, Banco Central e INSS), tiveram em setembro um superávit primário de R$ 4,103 bilhões. No ano, o superávit acumulado das contas do Governo Central já atingiu um superávit de R$ 47,503 bilhões, o equivalente a 3,81% do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.