Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Setor público tem déficit de R$ 32 bi em dezembro, aponta BC

O resultado representa o menor déficit para o mês desde 2014, quando o rombo das contas públicas somou R$ 12,894 bilhões; estatais apresentaram déficit de R$ 467 milhões em dezembro

Fabrício de Castro e Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2018 | 10h46

BRASÍLIA - As contas do setor público acumularam déficit primário de R$ 32,321 bilhões em dezembro, informou há pouco o Banco Central. O valor é menor que a metade do rombo observado em igual mês do ano passado, quando as contas públicas fecharam no vermelho em R$ 70,737 bilhões. O resultado foi o menor déficit para o mês desde 2014, quando o rombo das contas públicas somou R$ 12,894 bilhões.

O déficit ficou dentro das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam rombo de R$ 36,7 bilhões a R$ 20 bilhões em dezembro. A mediana estava negativa em R$ 31,35 bilhões.

O resultado fiscal de dezembro foi obtido com um déficit de R$ 22,168 bilhões do governo central. Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram saldo negativo de R$ 9,686 bilhões, sendo que Estados registraram superávit de R$ 7,306 bilhões, enquanto municípios alcançaram um resultado negativo de R$ 2,380 bilhões.

Já as empresas estatais apresentaram um déficit de R$ 467 milhões em dezembro.

Dívida x PIB.  A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) encerrou 2017 em 51,6% do Produto Interno Bruto (PIB), aos R$ 3,383 trilhões, informou o BC. Em novembro, o porcentual da dívida líquida ante o PIB era de 51,0% e, em dezembro de 2016, de 46,2%.

O Banco Central projetava uma relação entre a DLSP e o PIB em 52,6% no fim de 2017. Já a estimativa para 2018 é de 56,8%.

A dívida bruta do governo geral encerrou 2017 em R$ 4,855 trilhões, o que representa 74,0% do PIB. Em novembro, essa relação estava em 74,3%.

A previsão do BC para o resultado do mês passado era de uma taxa de 76,1%. Já a estimativa para o fim de 2018 é de dívida bruta de 78% do PIB, caso ocorra a devolução de R$ 130 bilhões do BNDES ao Tesouro este ano. Se não for feita a devolução, a projeção do BC é de dívida bruta de 79,9% do PIB em 2018. No melhor momento da série histórica, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,54% do PIB.

A dívida bruta do governo é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.

Tudo o que sabemos sobre:
Banco Central do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.