André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Setor público tem déficit primário de R$ 24,6 bi em setembro

Resultado é o pior para o mês desde 2016, quando o déficit foi de R$ 26,643 bilhões

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2018 | 11h31

Em meio às dificuldades do governo na área fiscal, o setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobrás e Eletrobrás) apresentou déficit primário de R$ 24,621 bilhões em setembro, informou nesta segunda-feira, 29, o Banco Central. Este é o pior resultado para meses de setembro desde 2016, quando houve déficit de R$ 26,643 bilhões. Em agosto, havia sido registrado déficit de R$ 16,876 bilhões e, em setembro de 2017, um déficit de R$ 21,259 bilhões.

O déficit primário consolidado do mês passado ficou dentro das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de saldo negativo de R$ 25,300 bilhões a déficit de R$ 15,860 bilhões, mas foi maior que a mediana, negativa em R$ 22,450 bilhões.

O resultado fiscal de setembro foi composto por um déficit de R$ 24,292 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado negativamente com R$ 795 milhões no mês. Enquanto os Estados registraram um déficit de R$ 872 milhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 77 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 466 milhões.

Em doze meses até setembro, as contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 87,794 bilhões, o equivalente a 1,29% do Produto Interno Bruto (PIB). A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 161,3 bilhões para 2018.

Gasto com juros do setor público soma R$ 14,552 bi em setembro

O setor público consolidado teve gasto de R$ 14,552 bilhões com juros em setembro, após esta despesa ter atingido R$ 60,052 bilhões em agosto, informou o BC.

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 9,155 bilhões. Já os governos regionais registraram gasto de R$ 5,031 bilhões e as empresas estatais, de R$ 365 milhões. A rubrica referente ao BC foi positiva, com ganhos em juros de R$ 5,735 bilhões. Isso contribuiu para a despesa total de juros do setor público, em setembro, ter sido inferior ao registrado nos meses anteriores.

No ano até setembro, as despesas com juros somaram R$ 303,341 bilhões (5,96% do PIB). Em 12 meses, as despesas com juros atingiram R$ 401,040 bilhões até setembro (5,90% do PIB).

Dívida Líquida do Setor Público fica em 52,2% do PIB em setembro

A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) subiu para 52,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em setembro, ante 51,2% em agosto. A dívida do governo central, governos regionais e empresas estatais terminou o mês passado em R$ 3,544 trilhões. 

Já a dívida bruta do governo geral encerrou o mês passado em R$ 5,247 trilhões, o que representa 77,2% do PIB. Em agosto, essa relação estava em 77,3%. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,54% do PIB.

A dívida bruta do governo é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.