Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Setor público tem déficit primário de R$ 9,5 bi em agosto

O resultado fiscal de agosto representa o melhor desempenho para o Governo Central, Estados, municípios e estatais para o mês desde 2015, quando o déficit primário foi de R$ 7,310 bilhões

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues, Broadcast

29 Setembro 2017 | 11h17

BRASÍLIA - Em meio às dificuldades do governo na área fiscal, o setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobrás e Eletrobrás) apresentou déficit primário de R$ 9,529 bilhões em agosto, informou nesta sexta-feira, 29, o Banco Central. Em julho, havia sido registrado déficit de R$ 16,138 bilhões e, em agosto de 2016, um déficit de R$ 22,267 bilhões.

Apesar do déficit primário de R$ 9,529 bilhões em agosto, este é o melhor resultado para o mês desde 2015, quando o déficit foi de R$ 7,310 bilhões.

O resultado fiscal de agosto foi composto por um déficit de R$ 9,916 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 498 milhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 78 milhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 421 milhões. Já as empresas estatais registraram déficit primário de R$ 111 milhões.

::: LEIA MAIS :::

++ Leilões arrecadam mais que o previsto e dão folga de R$ 4 bi ao caixa do governo

++ BNDES devolve R$ 33 bilhões ao Tesouro Nacional

++ Câmara aprova MP do Refis com texto-base mais generoso

O déficit primário do setor público consolidado considerado pelo governo é de R$ 163,1 bilhões para 2017, parâmetro que passou a ser referência após a revisão da meta, anunciada em agosto. Essa projeção leva em conta um rombo de R$ R$ 159,0 bilhões para o Governo Central em 2017.

Para o próximo ano, a meta do governo também é de déficit de R$ 163,1 bilhões para o setor público consolidado e de R$ 159,0 bilhões para o governo central.

Loading...

Loading...

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.