Setor público tem maior resultado para o bimestre desde 91

O setor público (União, Estados, municípios e empresas estatais) registrou no primeiro bimestre do ano um superávit primário - receitas menos despesas, sem incluir o pagamento dos juros - de R$ 20,136 bilhões, o equivalente a 5,24% do Produto Interno Bruto (PIB). O resultado, divulgado nesta quinta-feira, 29, é o melhor para o período desde o início da série histórica, em 1991.Os números divulgados já levam em conta a revisão do PIB brasileiro, anunciada pelo IBGE. Os governos regionais (Estados e municípios) acumulam nesse período um superávit primário de R$ 6,431 bilhões, ou 1,67% do PIB. O governo central (governo federal, Banco Central e INSS) registra no bimestre um superávit acumulado de R$ 14,465 bilhões (3,76% do PIB) e as empresas estatais (federais, estaduais e municipais) contribuíram com um déficit primário de R$ 760 milhões. Embora negativo, o déficit das estatais é bem menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foi de R$ 2,616 bilhões.FevereiroEm fevereiro, o setor público apresentou saldo positivo de R$ 6,679 bilhões, o melhor para o mês desde 2003. O governo central apresentou um superávit de R$ 2,660 bilhões e os governos regionais tiveram um superávit primário de R$ 2,619 bilhões. Enquanto os Estados apresentaram um superávit de R$ 2,254 bilhões, os municípios tiveram as suas contas superavitárias em R$ 364 milhões. As empresas estatais apresentaram um superávit primário de R$ 1,4 bilhão. As empresas estaduais foram as que mais contribuíram para o desempenho positivo desse grupo, com um superávit de US$ 888 milhões. As empresas estatais federais tiveram um resultado positivo de R$ 494 milhões e as municipais, de R$ 19 milhões.As contas do setor público consolidado acumulam, em 12 meses até fevereiro, um superávit primário de R$ 102,485 bilhões, o equivalente a 4,36% do PIB . Os números, que já levam em conta a revisão do PIB, mostram que o esforço fiscal está acima da meta de 4,25% do PIB para este ano. DéficitO déficit nominal do setor público, que além de incluir as receitas e despesas também leva em conta os gastos com o pagamento de juros da dívida pública, ficou em R$ 4,799 bilhões no primeiro bimestre. O valor corresponde a 1,25% do PIB e é mais de cinco vezes menor que o déficit em igual período do ano passado, quanto estava em R$ 23,481 bilhões, ou 6,6% do PIB. Em fevereiro, o déficit nominal do setor público foi de R$ 4,330 bilhões. Em janeiro, o déficit nominal tinha ficado em R$ 470 milhões e em fevereiro do ano passado em R$ 8,619 bilhões.Em 12 meses até fevereiro, o déficit nominal estava acumulado em R$ 51,201 bilhões, o que correspondia a 2,18% do PIB. Em janeiro deste ano, o déficit em 12 meses era de R$ 55,491 bilhões. O valor correspondia a 2,37% do PIB. Com o novo PIB, o déficit nominal em 12 meses até janeiro foi reduzido de 2,64% para 2,37%. Matéria alterada às 16h08 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.