Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas
Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas

Dívida do governo bate novo recorde em março

Puxado pelo déficit da Previdência, endividamento bruto atingiu 75,3% do PIB, o maior resultado da série

O Estado de S.Paulo

30 Abril 2018 | 11h06

Impactada pelo forte rombo nas contas públicas do mês passado, a dívida bruta do governo geral voltou a crescer e rompeu um novo recorde em março, apontam dados divulgados nesta segunda pelo Banco Central (BC). Uma das principais referências sobre a capacidade de solvência do País, o endividamento bruto chegou a 75,3% do Produto Interno Bruto (PIB), o maior porcentual da série histórica iniciada em dezembro de 2006.

Em fevereiro, essa relação estava em 75,1%. No melhor momento da série histórica, em janeiro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,54% do PIB. O endividamento bruto cresceu mesmo com a devolução pelo BNDES de R$ 30 bilhões ao Tesouro no mês passado.

Já a dívida líquida do setor público - não impactada pela operação do BNDES - encerrou o mês passado em R$ 3,463 trilhões e passou de 52,0% para 52,3% do PIB. Esse é maior porcentual para a dívida do governo central, governos regionais e empresas estatais desde junho de 2004, quando era de 52,8%.

A principal causa do aumento de ambas as dívidas é o rombo primário de R$ 25,135 bilhões do setor público consolidado no mês passado. Esse foi o pior resultado para meses de março na série histórica do BC, iniciada em 2001. O governo central teve déficit de R$ 25,531 bilhões, enquanto os governos regionais registraram superávit de R$ 552 milhões. As empresas estatais ficaram no negativo em R$ 156 milhões no mês.

“Houve uma antecipação do pagamento de precatórios de R$ 9,5 bilhões pelo Tesouro em março, mas, mesmo sem esse efeito, ainda seria o maior déficit para março na série”, reconheceu o chefe do departamento de estatísticas do BC, Fernando Rocha. Segundo ele, a grande culpada pelo crescimento do rombo primário e, consequentemente, da dívida, é a Previdência, que teve em março o maior déficit da história para o mês (R$ 20,127 bilhões) e para o trimestre (R$ 49,052 bilhões). “Tem havido aumento no déficit do INSS, em trajetória que já observamos há algum tempo. Os déficits da Previdência são os maiores em qualquer base de comparação”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.