Setor público tem superávit de R$ 40 bilhões no 1º semestre

Em igual período de 2009, esforço fiscal foi de R$ 35,2 bi; proporção ante o PIB permaneceu em 2,36%

Fabio Graner e Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

29 de julho de 2010 | 10h48

O setor público encerrou o primeiro semestre deste ano com superávit primário (economia para o pagamento de juros) de R$ 40,105 bilhões, o equivalente a 2,36% do PIB. Em igual período do ano passado, o esforço fiscal foi de R$ 35,255 bilhões, mas, a proporção em relação ao PIB do período foi exatamente a mesma: 2,36%.

De janeiro a junho de 2010, o governo central contribuiu com a economia de R$ 24,767 bilhões; os governos regionais, com R$ 15,959 bilhões, enquanto o conjunto das empresas estatais apresentou déficit primário de R$ 621 milhões.

No acumulado dos últimos 12 meses encerrados em junho, o superávit primário ficou em R$ 69,368 bilhões, o correspondente a 2,07% do PIB. A meta fiscal é de 3,3% do PIB, podendo ser deduzida em até 0,9 ponto porcentual com os investimentos executados no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O superávit em 12 meses até junho mostrou desaceleração na comparação com o acumulado em 12 meses até maio, quando a economia fiscal foi de R$ 70,685 bilhões, ou 2,13% do PIB. Em 12 meses até junho, o governo central contribuiu com superávit de R$ 46,261 bilhões; os governos regionais, com R$ 21,641 bilhões; e as empresas estatais, com R$ 1,466 bilhão.

Junho

O setor público consolidado registrou em junho superávit primário de R$ 2,059 bilhões, conforme dados divulgados pelo Banco Central. O resultado ficou abaixo da mediana prevista na pesquisa AE Projeções, de R$ 3,9 bilhões, mas dentro do intervalo das estimativas, que ia de R$ 1,6 bilhão a R$ 5,7 bilhões. O resultado do mês passado foi superior ao de maio, que ficou em R$ 1,430 bilhão, mas inferior ao registrado em junho de 2009, quando o esforço fiscal somou R$ 3,376 bilhões.

Segundo o BC, o saldo fiscal de junho teve contribuição positiva do governo central, de R$ 746 milhões, inferior ao superávit dos governos regionais, de R$ 1,7 bilhão. Em junho, as empresas estatais amargaram déficit primário de R$ 387 milhões, lideradas pelas companhias federais, com saldo negativo de R$ 244 milhões. 

Déficit nominal foi de R4 13,6 bilhões no mês

O setor público registrou em junho déficit nominal de R$ 13,621 bilhões de acordo com dados divulgados pelo BC. Em junho do ano passado, o saldo negativo, após o pagamento de juros foi de R$ 10,130 bilhões. No resultado do mês passado, o governo central registrou déficit de R$ 6,413 bilhões, os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 6,794 bilhões e o conjunto das empresas estatais registraram déficit de R$ 414 milhões.

No primeiro semestre, o setor público teve déficit nominal de R$ 51,229 bilhões, o que corresponde a 3,02% do PIB. Em igual período do ano passado, o saldo nominal foi negativo em R$ 43,682 bilhões, ou 2,92% do PIB. O governo central encerrou o primeiro semestre com déficit nominal de R$ 33,347 bilhões, os governos regionais, com déficit de R$ 16,696 bilhões e as empresas estatais com saldo negativo de R$ 1,186 bilhão.

No acumulado dos últimos 12 meses encerrados em junho, o setor público acumulou déficit nominal de R$ 112,169 bilhões, o correspondente a 3,35% do PIB. Esse resultado mostrou uma aceleração em comparação com os 12 meses terminados em maio, quando o saldo nominal foi negativo em R$ 108,678 bilhões, o equivalente a 3,28% do PIB.

No ano terminado em junho, o governo central teve déficit nominal de R$ 90,465 bilhões, os governos regionais, déficit de R$ 21,668 bilhões e as empresas estatais, déficit de R$ 36 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.