SFH: diferenciações entre as instituições

Os planos de financiamento imobiliário pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH) oferecidos pelas instituições seguem as regras básicas estabelecidas para estes contratos. Porém, em alguns pontos, os bancos apresentam algumas diferenciações. Exemplo disso é o comprometimento de renda que, regra geral, costuma ficar em um intervalo entre 20% e 30% da renda. Este porcentual tende a ser menor quanto mais incerto está o cenário econômico e financeiro. É o que vem acontecendo desde meados do ano passado e muitas instituições financeiras já adotaram uma postura mais conservadora. O BankBoston reduziu este porcentual de 25% para 22%, na tabela SAC (Sistema de Amortização Constante), e para 20% na tabela Price (Sistema Francês de Amortização). O Unibanco também seguiu esta tendência e reduziu este percentual de 20% para 15% na tabela Price Price e de 25% para 20% na tabela SAC. Já o HSBC alterou este percentual de 28% para 25% nas duas tabelas de amortização.O aumento da inadimplência é também um dos motivos para que as instituições sejam mais cautelosas na concessão do crédito. Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), a inadimplência por três meses consecutivos chegou a 27,6% nos financiamento com recursos da caderneta de poupança. Este é o índice mais alto registrado em 16 anos.Serviços especiaisServiços especiais também fazem parte do pacote oferecido por alguns bancos nas linhas de crédito imobiliário, inclusive pelo SFH, e diferencia o produto entre as instituições. No BankBoston, por exemplo, a Assistência 24 horas oferece serviços para a manutenção doméstica gratuitamente. No Unibanco, o mutuário conta com a figura do consultor imobiliário, que agiliza o processo de recolhimento e apresentação da documentação e cobra uma taxa fixa de R$ 560.No Santander, o candidato a mutuário, que é correntista da instituição, tem a possibilidade de usar um programa de relacionamento, chamado de Super Casa. Segundo a diretora de crédito imobiliário do Santander, Lydia Magalhães, a vantagem oferecida é uma taxa de juros anual mais baixa, de até 8,95%, abaixo do limite estabelecido nas linhas de SFH, de 12% ao ano. "Para participar deste programa, o correntista precisa possuir um cartão de crédito, uma conta planejada com um pacote de tarifas e uma poupança atrelada à conta corrente", afirma.Veja no link abaixo a expectativa dos analistas sobre as possíveis mudanças nas regras de rendimento da caderneta de poupança e o impacto que isso acarretaria nos financiamentos imobiliários pelo SFH.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.