Divulgação
Divulgação

Shell anuncia demissão de mais 2.200 funcionários

De acordo com a empresa anglo-holandesa, meta de demissões até o fim do ano é de 12.500 por causa dos baixos preços do petróleo

Reuters

25 de maio de 2016 | 11h46

LONDRES  - A petroleira Shell cortará mais 2.200 postos de trabalho, elevando sua meta de demissões para 12.500 até o fim do ano, disse a empresa anglo-holandesa nesta quarta-feira, 25, à medida que aprofunda os ajustes para enfrentar os baixos preços do petróleo.

A Shell demitiu 7.500 funcionários e terceirizados no ano passado e já havia informado que 2.800 postos serão fechados com a integração com a BG Group.

Embora os cortes sejam pequenos ante o número total de trabalhadores do setor de petróleo e gás no mundo, o número de 12.500 demissões é comparável a toda a força de trabalho do Facebook, por exemplo.

A empresa resultante da fusão da Shell e da BG empregava cerca de 94.600 funcionários no fim de 2015.

A petroleira reduziu significativamente seus gastos anuais para menos de 30 bilhões de dólares e está vendendo ativos equivalentes a 30 bilhões devido à queda nos preços do petróleo, que levou a receita da empresa em 2015 ao menor patamar em uma década.

No Brasil, após fusão com a BG, a Shell tornou-se a segunda maior concessionária de áreas de petróleo, atrás apenas da Petrobras.

Mais conteúdo sobre:
ShellBrasilEmprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.