Shell compra East Resources nos EUA por US$ 4,7 bilhões

Companhia, conhecida como Marcellus Shale, é cobiçada por ser um campo de gás natural que se estende da West Virginia até Nova York

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

28 de maio de 2010 | 11h36

A Royal Dutch Shell comprou a East Resources, um dos maiores players em uma área de exploração de gás natural conhecida como Marcellus Shale, nos EUA, onde detém o controle sobre 1,05 milhões de acres. O negócio de US$ 4,7 bilhões destaca o forte interesse da companhia na produção norte-americana de gás de xisto, informou o Wall Street Journal.

Nenhuma área é mais cobiçada que Marcellus Shale, um campo de gás natural que se estende da West Virginia até Nova York. O campo se beneficiou da grande produção e dos custos relativamente baixos, que fizeram seus poços rentáveis e cada vez mais valiosos.

A Shell também comprou neste ano cerca de 250 mil acres de direitos de mineração no campo de Eagle Ford, no sul do Texas.

"As aquisições de terras fazem parte de uma estratégia em curso, que também inclui desinvestimentos, com o objetivo de crescer e melhorar a qualidade do pequeno portfólio de gás da Shell na América do Norte", afirmou o CEO da companhia, Peter Voser, em um comunicado.

Em 2010, a Shell comprou um total de cerca de 1,3 milhão de hectares de área de gás na América do Norte. A companhia estima que estas novas aquisições têm o potencial de rendimento de mais de 16 trilhões de pés cúbicos de gás equivalente de recursos.

"A oportunidade agora é para consolidar a nossa apertada carteira de gás, vender ativos não essenciais na América do Norte e investir para o crescimento rentável, por meio da implementação de tecnologia da Shell e de capacidades em grande escala", acrescentou Voser.

No Brasil, segundo a página da Shell na internet, a companhia tem aproximadamente 2,7 mil postos de serviço, e atua nos segmentos de aviação, lubrificantes, comercial, marine, químicos e suprimentos, distribuição e exploração e produção e gás natural e geração de energia.

As informações são da Dow Jones. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.