Shell inicia exploração em alto mar com 70 mil barris por dia

A Shell Brasil instala no próximo final de semana a primeira plataforma de produção offshore privada do País. Até hoje, apenas a Petrobras possui exploração em alto mar. A plataforma flutuante FPSO Fluminense vai atuar nos campos de Bijupirá-Salema, na bacia de Campos, com capacidade de produção de 80 mil barris por dia. Segundo a Assessoria de Imprensa da Shell, a produção será de 70 mil barris por dia a partir de julho. A data exata do início da produção ainda não está sendo divulgada pela empresa. Construída no estaleiro Jurong em Cingapura, a FPSO chegou ao Brasil na semana passada para escapar da tributação de 19% de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que entrou em vigor ontem no estado do Rio para qualquer equipamento importado para a indústria naval. "Recomendamos a empresa que desse entrada na plataforma antes de 30 de maio para evitar contratempos", admite o secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Rio, Wagner Victer. Bijupirá-Salema pertencia à petroleira britânica Enterprise Oil, comprada pela Shell este ano, que se tornou parceira da Petrobras no negócio. Em Bijupirá-Salema, o grau API (medida de qualidade) do petróleo varia entre 28º a 31º, ou seja, é um óleo leve, de alta qualidade e maior facilidade de comercialização. ExportaçãoA empresa não comenta seus planos para comercialização deste óleo, mas um indício do que deve ser feito é a autorização da Agência Nacional do Petróleo (ANP), concedida no último dia 13 de maio, para que a Shell possa exportar petróleo. Ela será também a primeira empresa privada a exportar o óleo cru nacional. À época da autorização, a empresa informou que o mercado externo é uma alternativa para o escoamento da produção. Além dessa área, a Shell participa ainda de 14 blocos concedidos nas rodadas de licitação da ANP e tem se firmado como a principal investidora privada da exploração no País. DescobertasSegundo a empresa, já foram investidos US$ 300 milhões em exploração e produção no Brasil. Pelo menos três descobertas já foram divulgadas pela empresa. A mais recente, no litoral do Espírito Santo, foi a primeira com óleo considerado leve (com maior valor de mercado e mais fácil de extrair). Nessa área, as primeiras estimativas foram de reserva de 150 milhões de barris. Na mesma região, a Shell já havia descoberto outra área com 330 milhões de barris de óleo pesado em área explorada em parceria com a Petrobras e a Exxon-Mobill.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.