Shell pode virar operadora em área da União

No centro do debate político das eleições presidenciais, o pré-sal poderá ter uma petroleira estrangeira, a Shell, como operadora de uma área de propriedade da União. Esse é um cenário inédito no Brasil, que, segundo a petroleira, está próximo de ser definido.

FERNANDA NUNES / RIO, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2014 | 02h06

Diretor jurídico da companhia, Silvio Rodrigues afirmou ao Estado que a empresa caminha para fechar em breve um acordo que deverá assegurar a continuidade da atividade em uma reserva de pré-sal ainda não contratada que complementa outra atualmente sob sua concessão, o campo de Gato do Mato.

Olavo Bentes, consultor jurídico da Pré-sal Petróleo S/A (PPSA), representante dos interesses da União, também admitiu ontem que essa é uma alternativa que atende às determinações legais. Tecnicamente, esse tipo de contrato é conhecido no setor como "unitização".

Até hoje, todo o pronunciamento público do governo foi que, daqui para a frente, áreas do pré-sal seriam operadas apenas pela Petrobrás, em regime de partilha. A decisão, no entanto, ainda depende da última palavra do governo federal.

Gato do Mato, na Bacia de Santos, faz parte do bloco BM-S-54, adquirido pela Shell, com participação de 80%, em parceria com a francesa Total, dona dos demais 20%. O bloco fez parte da Sétima Rodada de Licitações da ANP, de 2005.

No fim do ano passado, a Shell comunicou à agência a descoberta de novas reservas que complementam a sua, e, desde então, debate com o governo sobre os próximos passos na região, se irá ceder espaço à Petrobrás ou avançará na produção.

Nos bastidores, os comentários são de que as reservas complementares à concessão da Shell não são tão significativas. Mas o caso de Gato do Mato pode servir como um exemplo para resoluções futuras. "O Conselho Nacional de Política Energética vai decidir sobre Gato do Mato e fará isso em cima dos interesses econômicos da União", afirmou Bentes, que participou ontem de palestra durante a feira e conferência Rio Oil&Gas, no Riocentro.

No evento, Bentes, informou sobre a existência de 16 áreas no pré-sal não contratadas que extrapolam outras já adquiridas, como a da Shell. A última informação, em abril, era de que havia dez casos semelhantes.

Algumas dessas 16 ainda estão sendo avaliadas pela ANP, que deverá se posicionar se são realmente comerciais ou não.

Custos menores. Em Gato do Mato, ainda que a operação fique com a Shell, o óleo extraído será entregue para a PPSA. Em compensação, a petroleira conseguiria reduzir os custos e potencializar a produção na sua área de concessão.

O negócio é interessante para a Shell, garantiu Rodrigues, que prevê ainda novas discussões sobre outros detalhes do contrato, embora acredite que toda conversa acontecerá amigavelmente, sem que seja preciso recorrer à Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.