Shell produzirá petróleo em grande escala no Brasil

A Shell Brasil irá se tornar, dentro de poucos meses, a primeira empresa estrangeira a produzir petróleo no País em grande escala, atividade dominada pela Petrobras. Chegará este mês ao Brasil a plataforma de produção flutuante FSPO Fluminense, construída pelo estaleiro Jurong, em Cingapura, e destinada ao projeto dos campos Bijupirá-Salema, na Bacia de Campos (RJ), que tem a Shell como majoritária, com 80%, enquanto a Petrobras detém apenas 20%. Os campos começarão a operar a partir de junho ou julho deste ano e têm produção estimada em 80 mil barris/dia.Apesar da boa perspectiva no mercado brasileiro com o início da produção, a Shell se preocupa com o regime fiscal no Brasil para área de petróleo e defende reformulações rápidas caso o governo queira manter as empresas brasileiras e multinacionais investindo em exploração e produção.Segundo o diretor de Exploração e Produção da empresa, John Haney, nas condições de hoje, em que as reservas brasileiras começam a apresentar predominância de óleo pesado (de menor qualidade e maior custo de produção e refino), são necessários incentivos fiscais para tornar economicamente viável a exploração e produção de petróleo no Brasil.O projeto da Shell na Bacia de Campos (RJ) é uma exceção no que se refere à qualidade de óleo. O petróleo em Bijupirá-Salema é considerado leve, de alta qualidade e maior facilidade de comercialização.Porém, o regime fiscal brasileiro ainda se posiciona como um entrave no desenvolvimento do setor, na avaliação da Shell. Segundo John Haney, a empresa está preparando um estudo sobre os problemas no regime fiscal para área, em conjunto com o Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP). Quando finalizada, a análise deverá ser entregue ao Ministério das Minas Energia. Segundo o IBP, o estudo está em fase de conclusão, e alguns dados já se encontram com a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.