Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Shopping lembra a 25 de Março

Euforia com as compras de fim de ano tomou conta tanto da nova classe média quanto dos mais ricos

, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2010 | 00h00

O maior Natal da década, que deve movimentar neste mês cerca de R$ 96 bilhões no comércio varejista, está sendo sustentado tanto pela nova classe média brasileira como pelos mais ricos.

"As pessoas estão deslumbradas neste fim de ano. Isso está ocorrendo com os pobres e com os ricos. Todos estão gastando mais", resume Maria Cristina Kantor, que atua na área de vendas e que ontem à tarde foi às compras com a filha Ana Luiza Kantor, administradora de empresas.

Segundo Maria Cristina, o fato de as pessoas estarem ganhando mais está incentivando um consumo desenfreado. Na sua opinião, isso deverá resultar em aumento dos níveis de inadimplência no ano que vem, quando o novo governo da presidente Dilma Rousseff tomar as rédeas da situação.

Esse clima de euforia de consumo é facilmente visível nos shoppings e nas ruas de comércio sofisticado da cidade. Durante o fim de semana, o desfile de sacolas de presentes foi intenso tanto na rua Oscar Freire, nos Jardins, como nos shoppings.

No Center Norte, por exemplo, quase 122 mil pessoas transitaram pelo shopping no sábado e mais 101 mil até o início da noite de ontem. O fluxo de pessoas era tão intenso que, em alguns momentos, especialmente nas redondezas das lojas de brinquedos e calçados, a impressão que se tinha era de estar numa das grandes ruas de comércio, como a 25 de Março. Mas o gasto do clientes está longe desse perfil.

Segundo dados da administração do centro de compras, o desembolso médio do consumidor neste mês já cresceu 25% em relação a dezembro do ano passado, de R$ 120 para R$ 150, e o faturamento superou em 18% o registrado em igual período de 2009.

As irmãs Giovana e Gisele Paccini foram ao shopping no sábado e ajudaram a engrossar as estatísticas de vendas. Segundo elas, a intenção era comprar itens de vestuário para dar de presente para a família. "Não resisti e acabei levando uma sandália para mim", contou Gisele, exibindo a primeira compra do dia. Ela notou um aumento de cerca de 20% nos preços dos calçados em relação ao Natal do ano passado.

A empresária Arlete Faquinetti Cellamare, acompanhada do filho Carlo, que estava com a namorada Ana Paula Marconi, aproveitou o sábado para comprar os presentes para a família e também optou por artigos de vestuário. "Faz três meses que renovei os eletrodomésticos e eletrônicos da casa. Troquei a geladeira, a TV e o forno de microondas. Agora tenho de comprar um rack novo para colocar a nova TV de LED de 42 polegadas", contou Arlete.

Gasto maior. Com presentes para familiares e amigos, o empresário Nelson Scalese aumentou os gastos neste Natal, de R$ 3 mil no ano passado para algo em torno de R$ 5 mil neste ano e optou por comprar roupas e pagar com cartão de crédito.

"O consumo está demais", disse. "E o mercado está muito bom", acrescentou, fazendo referência às recentes medidas do Banco Central que, segundo ele, foram acertadas para tirar o impulso das compras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.