Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Shoppings esperam alta de 58,3% nas vendas este ano

Mesmo se o resultado se confirmar, ainda será 3,5% inferior ao de 2019, anterior à pandemia da covid-19

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 05h00

O setor de shopping centers – um dos mais afetados pela pandemia – está passando por uma recuperação gradual, com melhora das vendas à medida que as restrições para funcionamento do comércio são levantadas. Ainda pairam muitas incertezas no ar, mas o ano de 2021 já deve ser bem melhor que 2020, auge da crise para os lojistas.

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) prevê que as vendas do setor totalizarão R$ 204 bilhões em 2021. Se confirmada a projeção, representará um crescimento de 58,3% em relação a 2020, mas, ainda assim, será uma queda de 3,5% na comparação com 2019. Os números já são deflacionados. A comparação com 2019 é a mais indicada, pois se trata do último ano antes da chegada da pandemia. Já em 2020 a maioria dos estabelecimentos estava fechada ou com capacidade de funcionamento muito reduzida.

“Nós percebemos que está melhorando o ambiente. Diminuíram os solavancos, há mais estabilidade. Isso ajuda as vendas do varejo como um todo”, disse o presidente da Abrasce, Glauco Humai, referindo-se à trégua da pandemia e, consequentemente, fim das ordens de Estados e municípios para fechamento do comércio. “O cenário ainda é volátil devido à pandemia, mas confiamos no avanço da vacinação.”

Humai disse que os dados dos últimos meses foram considerados saudáveis. “As vendas estão crescendo semana a semana. Maio, junho, julho, e agora, agosto, têm mostrado resultados muito positivos, até acima do esperado.” Ele disse que os consumidores estão voltando a frequentar os shoppings tanto para passeios quanto para compra de produtos e serviços, a despeito a popularização do comércio eletrônico durante o período de isolamento provocado pela pandemia. A situação é vista em todas as regiões, de modo generalizado.

Neste mês de agosto, as vendas totais do setor já estão 0,5% acima do verificado no mesmo período de 2019. Segundo o executivo, é a primeira vez, desde o começo da crise sanitária, que os negócios operam em alta. “Por mais de um ano e meio de pandemia ficamos abaixo dos níveis normais. Voltamos 11 anos em termos de faturamento. Mas estamos reduzindo essas perdas”, apontou Humai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.