Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Shoppings retomam vendas, mas restaurantes sofrem com clientes em home office e crédito no fim

Praças de alimentação enfrentam restrições mais rígidas de ocupação e queda maior no faturamento; setor negocia mês a mês contratos de aluguel

Talita Nascimento e Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2020 | 17h17

Com as portas de seu restaurante árabe fechadas de 20 de março a 12 de novembro, Graça Donatti adiou a reabertura, por entender que voltar sem movimento era pior do que ficar fechada. Mas o retorno às operações da unidade, que fica no shopping Morumbi Town, em São Paulo, não foi animador. "A conta não fecha", diz ela. "Infelizmente, acho que vai acontecer comigo o que está acontecendo com muitos." Ou seja: o fim definitivo do negócio.

A situação de Graça reflete um dilema de donos de restaurantes e lojas de serviços nos shoppings. Enquanto o varejo se recuperou rápido da fase mais aguda da crise causada pela pandemia de covid-19, impulsionados por medidas como o auxílio emergencial, o setor de serviços sofre. Para os restaurantes, mais pessoas trabalhando em casa significa menos almoços e jantares fora. A pandemia não tem data de vencimento, mas as dívidas, sim.

Desde o início das restrições ao comércio, em março, Graça conseguiu reduzir pela metade o aluguel após negociar com o shopping, mas teve de pagar outras taxas, como o fundo de promoção. Para lidar com as despesas, foi atrás de crédito. "O dinheiro do Pronampe já foi. No próximo ano começam as parcelas", diz. Sem caixa e sem clientes, vê uma situação desafiadora. Ao seu redor, pelo menos cinco lojas da praça de alimentação fecharam em definitivo.

O vaivém do horário de funcionamento dos shoppings paulistas por determinações do governo pouco influenciou no faturamento dos restaurantes. Isso porque o grosso da receita vinha dos clientes corporativos. Além de boa parte das grandes empresas seguir em teletrabalho, a capacidade das praças de alimentação é limitada pelas medidas sanitárias.

"Como é possível faturar a mesma coisa, se há só 40% dos lugares?", diz a diretora de franquias da rede Big X Picanha, Rita Poli. A marca já fechou 3 das 31 unidades no País e pode encerrar mais. "Tem muita gente esperando o fim de ano para ver o que fazer."

Nessas condições, o setor negocia mês a mês com as redes de shoppings, em uma discussão iniciada com a disparada do IGP-M, índice pelo qual são reajustados os contratos de aluguel. A favor dos restaurantes nas conversas, está a própria situação frágil do setor. Sem concessões por parte dos shoppings, haverá mais tapumes nas praças de alimentação, o que seria ruim para os centros de compras.

Para evitar esse cenário, as administradoras deram desconto no aluguel ou no condomínio, e reduziram o benefício conforme as vendas voltaram, embora não totalmente. Na Iguatemi, por exemplo, a política não acabou. Cristina Betts, diretora financeira e de relações com investidores, diz que todos os meses a empresa se debruça sobre os números dos 3 mil lojistas de seus shoppings para bater o martelo. "No começo, fizemos uma política mais ou menos igual para cada categoria de loja dependendo do shopping. Mas cada um tem um contrato", disse ao Estadão/Broadcast.

Com 16 shoppings no País, a empresa tem unidades como o JK Iguatemi, em São Paulo, em áreas de forte concentração de escritórios corporativos. Com o home office, nem todos os segmentos voltaram da mesma forma. "É óbvio que o público corporativo faz muita falta. Temos visto maior conversão, com menos fluxo e mais compras. Mas é verdade que temos categorias que sofrem mais", afirma Cristina.

No terceiro trimestre, as vendas em lojas maduras dos shoppings da Iguatemi caíram 37,5% em base anual. O setor de alimentação foi o de pior desempenho, com queda de 56,4%. Em outras empresas, a venda também caiu. Na Aliansce Sonae, a baixa foi de 33,1%. Na Multiplan, de 41,4%, e na BRMalls, de 36,8%. Apenas a Iguatemi detalhou as vendas por segmento.

As vendas de grandes redes de restaurantes, porém, dão uma pista. A Arcos Dorados, franqueadora do McDonald's no Brasil, teve queda de 44% na receita em dólar no terceiro trimestre. A BK Brasil, do Burger King, viu o faturamento encolher 27,8%.

Em nota, a Aliansce Sonae afirmou que mantém acompanhamento constante da situação de cada lojista. A Multiplan não se pronunciou e a BRMalls não respondeu aos contatos. A Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) afirmou que os adiamentos e descontos concedidos neste ano chegam a R$ 5 bilhões.

Desafio econômico

O fim das medidas de alívio financeiro, que ajudaram a segurar as pontas no auge da pandemia, é uma das maiores ameaças ao setor de restaurantes, especialmente para os menores. Segundo especialistas, assim como o auxílio emergencial, as medidas foram desenhadas considerando que a pandemia estaria resolvida no fim de 2020 e as atividades, normalizadas, o que não se concretizou.

"O fim do ano é emblemático. Restam riscos como o fim de todos os auxílios ao emprego e da rolagem da dívida das empresas", afirma João Maurício Rosal, economista da Guide. "Tivemos uma reação comportamental quando a pandemia baixou, de achar que se tudo está bem hoje, vai ficar assim para sempre, e não é assim. O fim do ano pode ser um ponto de inflexão."

O setor vive ainda pressões que estão ligadas à renda da população. Uma delas é a aceleração da inflação em categorias básicas de consumo. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o índice oficial de inflação, apontou alta de 2,54% nos preços dos alimentos em novembro, a maior do índice. Para os próximos meses, espera-se também que a energia elétrica acelere, depois de a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinar a volta da bandeira vermelha nas tarifas neste mês.

O efeito prático é que a renda disponível das classes baixa e média cai, porque o consumo básico exige mais dinheiro. Com isso, a compra de itens supérfluos e de serviços tende a sofrer. "Para as classes mais baixas, existe uma pressão em alimentação e itens mais básicos. E a renda disponível diminui em um momento de retirada do auxílio emergencial", afirma Isabela Tavares, economista especializada em varejo da Tendências Consultoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.